FANDOM


Daenerys Targaryen: "Os Mestres bebem lágrimas dos braços de suas mães. Eles mutilam meninos. Treinam garotas pequenas na arte de adorar homens velhos. Eles tratam homens como animais..."
Jorah Mormont: "É tentador ver seus inimigos como um mal, todos eles. Mas há o bem e o mal dos dois lados em todas as guerras já travadas"
Daenerys Targaryen: "Que os sacerdotes discordem sobre o bem e o mal! A escravidão é real. Posso acabar com isso. Eu terminarei. E vou acabar com os que estão por trás disso ... Eles podem viver no meu mundo novo ou podem morrer em o antigo."
Daenerys Targaryen explica o idealismo por trás de sua campanha na Baía dos Escravos, diante dos avisos pragmáticos da Sor Jorah Mormont.[fonte]

A Libertação da Baía dos Escravos é uma campanha militar liderada por Daenerys Targaryen, com o objetivo de libertar a população escravizada da Baía dos Escravos.

Durante esta campanha Daenerys saqueia Astapor, derrota as forças de Yunkai e conquista a cidade de Meereen, onde ela permanece para dominar a Baía dos Escravos.

Depois que a Aliança não forçou Meereen, as cidades escravas se renderam. O sistema de escravidão é abolido e a região é renomeada como a Baía dos Dragões em homenagem a Daenerys e seus dragões.

A campanha em Baía dos Escravos é uma vitória decisiva para Casa Targaryen. Com apenas um pequeno khalasar sob seu comando antes da campanha, Daenerys sai da Baía do Escravos com um grande exército de Mossas e Dothraki, uma grande frota e o apoio combinado da Casa Greyjoy, Casa Tyrell e Dorne.

História

Prelúdio

Depois de sofrer traição e quase ser presa em Qarth, Daenerys partiu da cidade em um navio comprado com o dinheiro de Xaro Xhoan Daxos com seu conselheiro de longa data e seu amigo Jorah Mormont, seus poucos seguidores Dothraki restantes e seus três jovens dragões: Drogon, Viserion e Rhaegal. A jovem Khaleesi desembarcou em Astapor, uma das três cidades da Baía dos Escravos, onde levou Sor Barristan Selmy ao serviço dela, enquanto procurava uma maneira de adquirir um exército para levar o Trono de Ferro e Mormont contou sobre a proeza de seus eunucos guerreiros, chamados de Ináculas. No entanto, depois de testemunhar seu brutal treinamento, abuso nas mãos dos mestres e a miséria geral em que os escravos da cidade tinham que viver, ela resolveu liberá-los. [1] [2] [3]

Batalhas

Saque de Astapor

Daenerys negociou com os Mestres, concordando em trocar seu dragão Drogon pelo comando sobre os Imaculados e, como presente, sua tradutora Missandei. No entanto, após o intercâmbio, ela ordenou aos Imaculados que matassem os Mestres e liberassem todos os escravos e deu o comando a Drogon a queimar Kraznys mo Nakloz, que a insultou durante sua permanência na cidade. O dragão então ajudou a saquear e queimar a cidade. Depois, Daenerys liberou seus novos soldados escravos, que, em troca, se comprometeram a servi-la como homens livres. Antes de sair da cidade com o exército forte de 8,000 Forças armadas, Daenerys instalou um conselho em Astapor para dominar a cidade em seu lugar.

Queda de Astapor

No entanto, pouco depois de Daenerys conquistar Meereen, a notícia chega que o conselho foi derrubado por um homem chamado Cleon.

Batalha de Yunkai

Embora Jorah Mormont aconselhe Daenerys que, conquistar Yunkai não a ajudaria a tomar o Trono de Ferro, ela decide prosseguir com uma campanha para libertar todos os escravos da cidade e limpar toda a Baía da escravidão. Portanto, seu novo exército, com Verme Cinzento eleito como seu comandante, marchou em direção da Cidade Amarela.

Perto da cidade, ela recebeu o enviado Razdal mo Eraz, dos sábios mestres de Yunkai. Ela rejeitou sua oferta de ouro e navios para guiá-la para Westeros em troca de deixá-los sozinhos em seus negócios, embora ela tenha mantido seu ouro. Depois de descobrir que Yunkai havia empregado mercenários chamados Segundos Filhos para se opor a ela, ela se encontrou com os capitães e tentou persuadi-los a sua causa, mas não teve sucesso. Sentindo uma oportunidade e ferido com a beleza de Daenerys, um dos capitães, Daario Naharis, matou seus colegas e prometeu sua companhia para a causa de Daenerys. Com o conhecimento privilegiado de Daario, um pequeno grupo, composto de Jorah Mormont, Grey Worm e ele mesmo, entrou em Yunkai através de um portão para abrir os portões da frente de seu exército. Com a vantagem numérica do lado deles, Yunkai caiu dentro de algumas horas. A cidade então entregou seus escravos a Daenerys, que a elegeram como sua "Mãe".

Cerco de Meereen

Enquanto estava em marcha para Meereen, a última e maior das cidades-escravas, o exército de Daenerys, que agora contava com mais de 10.000 homens armados, encontrou uma série de 163 escravos crucificados apontando para a cidade, um por cada milha entre eles e Meereen. Daenerys ficou muito irritada com essa provocação pelos grandes mestres.

Antes de sua chegada aos portões da cidade, Meereen enviou um campeão para desafiar seu melhor lutador em combate único. Daario Naharis rapidamente despachou o campeão e Daenerys ordenou que os escravos quebrados dos escravos de Astapor e Yunkai fossem lançados sobre as muralhas da cidade como uma mensagem aos escravos dentro da cidade. Durante a noite, Vento Cinzento esgueirou-se junto com um grupo seleto de soldados Meereen através dos esgotos, disfarçados de escravos, para armar os escravos de Meereen e incitá-los a se revoltarem contra seus mestres. Na seguinte revolta, muitos mestres foram assaltados nas ruas e os escravos vitoriosos abriram os portões para Daenerys. Seu primeiro ato foi a retribuição pelos escravos mortos: 163 grandes mestres foram crucificados nas ruas de Meereen, enquanto Daenerys tomou residência na Grande Pirâmide.

Regra sobre Meereen

Embora os Segundos Filhos se apoderassem da marinha Meereenense, Daenerys soube que o conselho que ela estabeleceu para dominar Astapor foi derrubado por um imperador autoproclamado chamado Cleon e que os sábios Mestres de Yunkai voltaram ao poder e escravizaram todos os libertos. Portanto, em vez de marchar para Porto Real em sua nova frota e pegar o Trono de Ferro, Daenerys decidiu permanecer em Meereen para dominar a Baía dos Escravos e reforçar a abolição da escravidão. Para cumprir isso, enviou a Yunkai, um grande mestre a seu serviço, Hizdahr zo Loraq, para negociar com os sábios mestres. Se eles não cumprissem suas exigências de abandonar a escravidão de uma vez por todas, Daario enviaria seus homens e executaria todos eles. Por este ponto, Meereen já estava começando a experimentar matanças de vingança clandestinas e agitação civil entre libertos e ex-escravos.

Então, Daenerys sofreu três grandes perdas subsequentes. Em primeiro lugar, depois que Barristan Selmy descobriu que seu conselheiro Jorah Mormont foi ex-espião para Porto Real, ela foi forçada a exilá-lo. Em segundo lugar, tendo demonstrado que a abolição da escravidão deixara muitos ex-escravos numa posição ainda mais preguiçosa, ela aceitou de raiva a criação de contratos de um ano, o que poderia permitir aos antigos Mestres efetivamente reintroduzir a escravidão. Por fim, quando Drogon matou a filha de um cavaleiro local e depois desapareceu, ela decidiu trancar seus dois dragões restantes, Viserion e Rhaegal, nas catacumbas.

Revolta em Meereen

Eventualmente, Hizdahr zo Loraq e Daario Naharis retornaram bem sucedidos de sua missão diplomática de Yunkish: os Mestres sábios cumprirão a abolição da escravidão e criarão um conselho governante de antigos proprietários de escravos e libertos enquanto ela reabriu os poços de combate, uma condição que Daenerys não poderia tolerar, apesar dos repetidos apelos de Hizdahr e Daario. Enquanto isso, uma organização clandestina que se opunha ao seu governo, os Filhos da Harpia, se voltou para a violência e começou a assassinar seus homens, incluindo Sor Barristan Selmy e vários Segundos Filhos e Imaculados, e ferindo gravemente o comandante deste último, Vento Cinzento. Em retaliação, Daenerys reuniu os líderes das grandes famílias e, como demonstração de força, alimentou um deles para Viserion e Rhaegal. No entanto, ela logo reconsiderou sua abordagem e comprometeu-se: ela reabriria os poços de combate e fortalecera seu vínculo com o povo Meereenese ao se casar com o líder de uma família antiga - Hizdahr zo Loraq.

Acusação de Tyrion Lannister

Yezzan zo Qaggaz levou seus lutadores para Meereen, para testá-los nos poços mais baixos e procurar aqueles que seriam dignos de lutar no Grande Poço de Daznak. Inesperadamente, Daenerys estava presente, enquanto estava fazendo as rodadas nos poços mais baixos antes do torneio principal, então Jorah Mormont entrou mais cedo e facilmente derrotou os outros lutadores sem matá-los, impressionando Dany. Quando ele revelou sua identidade, no entanto, ela ordenou que ele fosse levado. Antes que o Imaculado pudesse cumprir, Jorah declarou que ele trouxe um presente e Tyrion Lannister entrou na arena e revelou sua identidade à Rainha.

De volta à Grande Pirâmide, Tyrion a persuadiu a deixar Jorah vivo, embora ainda no exílio, comentando sua devoção óbvia e talvez até mesmo amor com ela, mas também no fato de que ele não confiava nele o suficiente para informá-la de sua missão para espioná-la pelo rei Robert. Jorah decidiu voltar a lutar nos poços, com a intenção de recuperar seu favor mais uma vez, enquanto Tyrion entrou ao serviço de Daenerys como conselheiro, depois que ele revelou várias coisas, incluindo a lealdade secreta de Varys para ela e sua visão sobre a política dos Sete Reinos.

Ataque no poço de Daznak

A reabertura dos poços de combate foi oficialmente celebrada durante os Grandes Jogos na Grande Piramide de Daznak. Embora tudo tenha começado de acordo com o plano, os Filhos da Harpia fizeram um ataque à Rainha, que só sobreviveu graças a Jorah Mormont. Daenerys e seus apoiantes foram, no entanto, cercados pelos Filhos, com nenhum lugar para ir, apenas para Drogon retornar e espalhar fogo contra as Harpias, muitas das quais morreram pelo fogo do dragão e seus dentes. No entanto, Drogon ficou ferido na luta e Daenerys montou-o para acalmá-lo. Sem opção segura para Drogon, Daenerys ordenou que ele voltasse, o que ele fez, com Daenerys ainda de costas, deixando Daznak e Meereen atrás deles.

Após o ataque no poço de Daznak, os conselheiros de Daenerys decidiram que Jorah Mormont e Daario Naharis deixariam Meereen para encontrar a sua rainha desaparecida. Até que eles retornaram com Daenerys, Tyrion governaria Meereen em seu lugar, pois ele era o único com experiência em governar uma cidade; Vento Cinzento ficaria, como ele ordenava o respeito dos leais a Daenerys; e Missandei também, como ela era a confidente mais próxima da rainha. Varys chegou logo depois e ofereceu a Tyrion o serviço de seus espiões. Enquanto isso, um Drogon machucado e cansado aterrissou no Mar Dothraki, não querendo voltar e levar Daenerys de volta a Meereen. Enquanto examinava a área e procurava comida, Daenerys encontrou um khalasar Dothraki e logo foi cercada.

Queima dos Estaleiros de Meereen

Algum tempo depois da partida de Jorah e Daario de Meereen, Tyrion e Varys estão inspecionando a cidade de Meereen quando descobrem que os estaleiros da cidade foram queimados.

Um retorno à estabilidade

Depois que Tyrion liberta os dragões Viserion e Rhaegal, Varys sabe por uma das prostitutas que os Filhos da Harpia estão sendo financiados pelos Mestres sábios de Astapor, Yunkai e até mesmo Volantis. Tyrion organiza uma reunião com os Mestres, oferecendo-lhes um prazo de sete anos para eliminar a escravidão e compensar todos os escravos. Apesar dos desentendimentos dos ex-escravos, Meereen começa a se estabilizar e a atividade das Harpias é drasticamente reduzida. No entanto, Tyrion afirma que devem dar crédito a Daenerys e também a ajuda de Kinvara, a Alta Sacerdotisa do Senhor da Luz.

Golpe em Vaes Dothrak

Enquanto isso, Daenerys foi capturado pelo khalasar e retornou a Vaes Dothrak para viver seus dias no Templo das Dosh Khaleen. Em vez disso, Daenerys organiza um golpe e queima todos os khals vivos dentro do templo, ganhando literalmente o apoio do Dothraki durante a noite. Depois de se separar em bons termos com Jorah Mormont, Daenerys se reúne com Drogon enquanto conduzia o khalasar de volta a Meereen, consolidando-se como líder.

Queda de Astapor

Logo após a queima da frota de Meereen, as notícias chegam a Tyrion e a Varys, que os mestres escravos não só retomaram Yunkai, mas também também Astapor, depois do assalto de Astapor (e presumivelmente o autoproclamado rei Cleon morreu no outono). Isso deixa oficialmente Meereen como a única parte da Baía do Escravos que os mestres escravos não recuperaram o controle.

Segundo Cerco de Meereen

Mais uma vez, a paz é de curta duração. Depois que Varys parte em uma missão para Westeros, os Mestres atacam Meereen pelo mar, bombardeando a cidade à noite. Quando Verme Cinzento e Os Imaculados se preparam para defender a Grande Pirâmide em vez de atacar os Mestres na praia, Daenerys finalmente retorna, chegando à varanda da Pirâmide com Drogon.

Na manhã seguinte, enquanto os Mestres continuam a bombardear a cidade, Daenerys e Tyrion organizam uma reunião para negociar a rendição. A reunião é um ardil, no entanto, como Daenerys rapidamente voa em Drogon para liderar um contra-ataque. Ela ordena que seus dragões queimem os navios do Mestrado enquanto os Dothraki e os Segundos Filhos retomam a cidade no chão. Verme Cinzento mata Razdal mo Eraz e Belicho Paenymion, mas poupa Yezzan zo Qaggaz para enviar uma mensagem para as outras cidades escravas, terminando o cerco.

Consequências

A campanha é um sucesso retumbante para a Casa Targaryen e a posição da Daenerys está garantida. Antes de deixar Meereen para reclamar o Trono de Ferro para Casa Targaryen, Daenerys coloca Daario Naharis e os Segundos Filhos a cargo de governar a cidade e a renomeada Baía dos Dragões em sua ausência. A escravidão é agora abolida em toda a região. Se permanecerá assim na ausência de Daenerys não se sabe

Nos Livros

Prelúdio

Após a morte de Khal Drogo, Daenerys Targaryen conseguiu chocar seus três ovos de dragão em sua pira funerária. Com o khalasar de Drogo se dispersando após a morte do seu líder, Daenerys parte pelo deserto vermelho em uma perigosa jornada. Ela eventualmente chegou na rica cidade de Qarth em busca de apoio mas após a destruição da Casa dos Imortais, ela acaba enfrentando a hostilidade da cidade e é forçada a se retirar com seus poucos companheiros que ainda eram leais a ela, incluindo Jorah Mormont e alguns dothrakis. Ela eventualmente recebe ajuda de um eunuco chamado Belwas e um velho guerreiro chamado Arstan Barba-Branca (que mais tarde seria revelado como sendo Barristan Selmy). Estes dois foram enviados por Illyrio Mopatis, que queria que Dany retornasse para Pentos. Contudo, Jorah a convence a ir para Astapor e lá recrutar um exército de escravos imaculados para marchar em Westeros. Daenerys concorda mas ao chegar na cidade ela fica enojada com a escravidão. Apesar de tudo isso, ela aceita os Imaculados e compra mais de 8 000 deles, concordando em dar um dos seus dragões (Drogon) como pagamento.

A Guerra

Após concordar em trocar seu maior dragão (Drogon) por cerca de 8 000 Imaculados, Daenerys trai os Grandes Mestres de Astapor e volta seus recém adquiridos guerreiros imaculados contra seus antigos mestres. Drogon se liberta e queima guerreiros e nobres por toda a cidade. Com os outros dois dragões soltos, as defesas da cidade de Astapor são facilmente superadas após uma curta batalha. Uma vez no controle, Dany abole a escravidão na cidade e substitui os seus antigos líderes escravagistas por um conselho de três homens (um curandeiro, um estudioso e um sacerdote). Agora com um exército fortemente armado e bem treinado de imaculados a sua disposição, Daenerys pondera suas próximas opções.

Após a vitória em Astapor, Daenerys oficialmente liberta seus Imaculados e oferece a eles a chance de voluntariamente jurar lealdade a ela ou serem dispensados. A esmagadora maioria decide oferecer seus serviços para ela e é iniciada a marcha em direção a grande cidade escravagista de Yunkai. Por sua vez, os yunkaistas, cientes da queda de Astapor, começam a reunir um exército (formado quase que majoritariamente por escravos) para se defender. Eles também recrutaram várias companhias mercenárias, como os Soprados pelo Vento, Corvos Tormentosos e os Segundos Filhos. Daenerys manda mensageiros para estas duas últimas companhas e convida também os yunkaistas para conversar. Ao tentar fazer com que os Corvos Tormentosos e os Segundos Filhos traiam seus contratantes, ela só recebe como resposta uma recusa e ameaças. Já os líderes de Yunkai oferecem suborno para Dany para que ela se retire com suas tropas, mas ela responde dando a eles três dias para que rendam seus escravos ou ela vai atacar. Daenerys, contudo, planeja ordenar o ataque naquela mesma noite, afirmando que os yunkaistas estariam sob uma falsa sensação de segurança, enquanto os Corvos Tormentosos estariam lutando uns contra os outros e os Segundos Filhos estariam todos bêbados. Porém, pouco antes do ataque, Daario Naharis, um dos comandantes dos Corvos Tormentosos, chega para ela e a presenteia com a cabeça dos outros dois capitães da companhia, Prendahl na Ghezn e Sallor. Ele então oferece seus serviços para Dany e diz que seus homens mudaram de lado com ele. Agora apoiada pelos Corvos Tormentosos, Daenerys ordena que o ataque a Yunkai comece. A batalha é curta e o exército yunkaista se rende rapidamente. Os líderes de Yunkai decidem então atender as exigências de Dany e libertam seus escravos, com ela permitindo que os Sábios Mestres permaneçam no controle da cidade. Daenerys é então aclamada pelos agora escravos libertos, que começam a chama-la de "Mãe" (Mhysa, na língua ghiscari).

Após a conquista de Astapor e Yunkai, estava claro que o próximo passo de Daenerys Targaryen seria marchar para a cidade de Meereen e assim completar a conquista da Baía dos Escravos. Os meereeneses começam a preparar suas defesas, fechando seus portões após trazer todos os suprimentos do campo para dentro da cidade. Pelo menos cento e sessenta e três crianças escravas são crucificadas e exibidas na estrada entre Yunkai e Meereen, como um aviso para Daenerys desistir ou para coibir rebeliões em favor dela. Dany avança com uma multidão de mais de 80 mil pessoas, embora menos de 20 mil tinham algum treinamento militar (incluindo seus Imaculados). Meereen é então cercada. Os nobres locais oferecem combate singular para resolver a questão, mas Belwas (um servo de Dany) acaba matando Oznak zo Pahl, o campeão da cidade. Daenerys então manda homens se infiltrarem em Meereen pelos esgotos para convencer a população a se rebelar. A tática dá certo, com os escravos iniciando uma revolta dentro dos muros da cidade, enquanto os homens de Dany invadem pelo portão leste. Assim como em Astapor e Yunkai, a conquista de Meereen foi uma rápida e decisiva vitória Targaryen.

Consequências e Eventos Posteriores

Após ter conquistado as três principais cidades da Baía dos Escravos (Astapor, Yunkai e Meereen), Daenerys ponderou suas opções e planejou seus próximos passos. A região agora oficialmente havia abolido a escravidão mas a paz não durou muito.

Em Astapor, Cleon assassinou o conselho que Daenerys havia colocado no poder e começa a treinar um exército de escravos. Doença e fome se alastram na região, com os mortos ocupando as ruas da cidade. Ao saber do caos que aflige Astapor, Daenerys decide ficar em Meereen e se coroa como a rainha desta cidade, tomando a Grande Pirâmidecomo seu novo assento de poder.

Em Yunkai as coisas também não estão melhores. Pouco depois de Daenerys se retirar, a cidade é novamente tomada pelos escravagistas que imediatamente abolem todas as reformas feitas pela rainha (reinstituindo a escravidão, por exemplo). Os Sábios Mestres começam então a reunir um novo exército, recrutando escravos e mercenários de toda Essos para atacar Meereen e acabar com o governo de Daenerys na Baía dos Escravos de uma vez por todas. Yunkai manda então representantes para diversas cidades, como Qarth, para conseguir apoio para enfrentar a rainha. Grazdan mo Eraz viaja para Volantis para persuadir a Tríade (que governa a cidade) a enviar apoio na luta contra Daenerys. Auxílio também vem das cidades de Nova Ghis, Tolos e Elyria, que querem ver a escravidão restaurada na Baía dos Escravos. Mensagens são enviadas até mesmo para os Dothraki.

Enquanto isso, a situação dentro de Meereen também não está muito boa. Um movimento chamado "Filhos da Harpia", liderados por nobres ghiscaris locais, começa a atacar as tropas e os apoiadores de Daenerys após ela se coroar a rainha da cidade. Ela decide então formar uma guarda da cidade, consistida de escravos libertos. Uma guerra interna e sorrateira começa, ceifando muitas vidas.

Então, tropas de Yunkai e Nova Ghis marcham sobre Astapor, causando grande devastação e a fuga de Cleon (que é posteriormente assassinado por seus próprios comandados). Assim, toda a Baía dos Escravos (com exceção de Meereen) estava novamente em mãos dos escravagistas. Logo depois, a cidade de Meereen finalmente é atacada e um prolongado cerco começa. Nesse meio tempo, uma epidemia de fluxo sangrento começa a assolar toda a região, causando milhares de mortos nos acampamentos e cidades de todos os lados envolvidos.

Uma tênue paz é então alcançada quando Daenerys aceita se casar com um nobre (Hizdahr zo Loraq) de uma das Casas mais distintas de Meereen. Uma breve e nervosa paz se segue, mas após Dany sofre uma tentativa de envenenamento na Arena de Daznak, onde rapidamente se instaura um pandemônio com a chegada do dragão Drogon, as hostilidades voltam a se iniciar na região, pois, logo em seguida, os apoiadores de Daenerys (após ela sumir em meio ao caos nas costas do seu dragão) decidem derrubar Hizdahr e se preparam para a batalha contra os Yunkaistas e seus aliados.

Referência

  1. Valar Morghulis
  2. Valar Dohaeris
  3. Caminho da Punição
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.