Game of Thrones Wiki
Advertisement
Maesters-Shield.png
Maesters-Shield.png

Larys Strong, conhecido como Larys Pé Torto ou Pé Torto, foi o Senhor de Harrenhal e chefe da Casa Strong durante a última parte do reinado de Viserys I Targaryen e o reinado de Aegon II Targaryen.

Ele serviu no Pequeno Conselho como o Mestre dos Sussurros e Lorde de Tortura dos dois reis.

Aparência e Caráter

Um dos pés de Larys estava torcido ao nascer, então ele o arrastava mancando.

Larys raramente falava, preferindo ouvir. Quando ele falava, era para ser superficial ou compartilhar palavras de grande importância. O pé torto era um homem enigmático e astuto. Embora ele pudesse ser convincente e amável quando necessário, ele manteve seu próprio conselho e não teve amigos.

História

Reinado de Viserys I

Em 105 d.C, Larys foi levado a corte por seu pai, Lorde Lyonel Strong, ao lado de seu irmão mais velho, Harwin, e duas irmãs. Larys se juntou aos torturadores do Rei Viserys I Targaryen.

Em 120 d.C, Lyonel e Harwin morreram em um incêndio em Harrenhal, deixando Larys herdar o título de seu pai como Lorde de Harrenhal. Embora a causa do incêndio nunca tenha sido determinada, uma das sugestões a serem apresentadas foi que Larys o havia causado. Outros culpados sugeridos foram o príncipe Daemon Targaryen, Lorde Corlys Velaryon, o próprio Rei Viserys I e a maldição de Harrenhal.

Larys acabou se tornando o Lorde de Tortura e o Mestre de Sussurros no Pequeno Conselho de Viserys I.

Dança dos Dragões

Quando o Rei Viserys morreu em 129 d.C, Larys fazia parte da facção verde da corte. Ele participou da reunião do Pequeno Conselho que concordou em apoiar Aegon II Targaryen contra sua meia-irmã, Rhaenyra Targaryen. Larys cortou a palma da mão e fez com que os conspiradores presentes prestassem um juramento de sangue.

Quando a Dança dos Dragões estourou, o castelo de Larys foi tomado pelo príncipe Daemon Targaryen no ataque a Harrenhal. A mãe de Aegon, a Rainha Alicent Hightower, supostamente ordenou que Larys torturasse Sangue após o assassinato do príncipe Jaehaerys Targaryen. O pé torto elaborou uma lista de pretos contra os quais Sor Criston Cole poderia marchar.

Larys escapou da captura durante a queda de Porto Real para Rhaenyra em 130 d.C. Ele levou Aegon, que ainda estava se recuperando da batalha em Pouso de Gralhas, e os dois filhos restantes do rei, o príncipe Maelor e a princesa Jaehaera, por uma passagem secreta que os levou para fora da capital. Larys insistiu que o grupo se separasse e ordenou que Sor Rickard Thorne, da Guarda Real de Aegon, levasse Maelor a Lorde Lyonel Hightower em Vilavelha, e Sor Willis Fell, da Guarda Real, que escoltasse Jaehaera a Lorde Borros Baratheon em Ponta Tempestade. Larys disfarçou o Rei Aegon como plebeu e o mandou para Pedra do Dragão sob os cuidados de Sor Marston Waters, acreditando que sua própria fortaleza seria o último lugar que Rhaenyra pensaria em procurar seu meio-irmão.

Em campanha nas Terras Fluviais, o príncipe Aemond Targaryen acreditava que Larys de alguma forma ajudou Rhaenyra na queda da capital. O irmão de Aegon matou todos os membros da Casa Strong em Harrenhal.

Larys permaneceu em Porto Real, trabalhando estrategicamente em segredo para minar o domínio de Rhaenyra na capital. Quando a Rainha Helaena Targaryen cometeu suicídio, espalhou-se um boato por toda a cidade de que ela havia sido assassinada por ordem de Rhaneyra, acreditavasse que Larys havia espalhado o boato.

O tumulto maciço de Porto Real levou Rhaenyra a abandonar a capital. Quando Sor Perkin, a Pulga, e seus seguidores conquistaram o controle da Fortaleza Vermelha e coroaram Trystane Truefyre durante a Lua dos Três Reis, Larys emergiu e entrou na Fortaleza Vermelha, onde foi recebido por Perkin e recebeu um lugar de honra ao lado de Trystane.

Larys fingiu apoio ao pretendente Trystane e garantiu a libertação de Alicent, Grande Maester Orwyle e Lord Corlys Velaryon. Quando o exército de Lorde Borros Baratheon chegou em Porto Real, Larys se ofereceu para tratar com o Senhor do Ponta Tempestade em nome de Trystane. Em vez disso, Larys conspirou com Perkin e os verdes para trair Trystane e dar a cidade aos apoiadores de Aegon II. Um perdão total foi prometido a Perkin e a todos os seus seguidores em troca de sua ajuda na restauração da capital para o Rei Aegon, que havia matado Rhaenyra após a queda de Pedra do Dragão. No entanto, o perdão não foi estendido a Trystane, que mais tarde foi executado. Larys concordou em um noivado com uma das filhas de Borros, Floris Baratheon. Quando Alicent defendeu que Corlys deveria ser morto por ter apoiado Rhaenrya, Larys apontou que seu filho, Aegon, estava em Pedra do Dragão cercado por uma frota de Velaryon. O pé torto sugeriu a Alicent que perdoassem Corlys e esperassem até o fim da guerra antes de descartá-lo silenciosamente.

Durante uma reunião do conselho após o retorno de Aegon, Corlys Velaryon ficou indignado com a sugestão de Sor Tyland Lannister de executar o príncipe Aegon, o Jovem, o filho sobrevivente de Rhaenyra que foi mantido em cativeiro pelos verdes. Lord Strong convenceu Aegon II a não punir Corlys, pois isso faria de Alyn Velaryon um inimigo. Após a reunião, Larys alertou discretamente Corlys da trama para eventualmente matá-lo, e o pé torto o persuadiu a fazer parte de um esquema de sua própria criação.

Após a derrota de Lorde Borros e seu exército na Batalha na Estrada do Rei, o Rei Aegon recusou a recomendação de Lorde Velaryon de se render. Larys mandou a princesa Baela Targaryen se afastar clandestinamente, para que ela não pudesse ser usada como refém contra Corlys. Aegon II foi logo encontrado morto com sangue nos lábios, assassinado por veneno. Larys e Corlys tiveram os poucos partidários restantes mortos ou presos e convenceram os verdes remanescentes a se renderem enquanto os Lads desciam na capital.

Aegon II foi sucedido como Rei por Aegon, o Jovem, que se casou com a princesa Jaehaera. Quando os Senhores do Rio chegaram a Porto Real, foram alegremente recebidos por pequenos habitantes, uma recepção presumivelmente criada pelo pé torto.

Hora do Lobo

O fim de Lorde Larys e Sor Gyles Belgrave.

A sorte se voltou contra Lorde Strong e seus conspiradores com a chegada do exército do norte de Lord Cregan Stark, que rapidamente se tornou Mão do Rei para Aegon III Targaryen. Apesar de ter apoiado Rhaenyra Targaryen durante a Dança dos Dragões, Cregan se opôs ao assassinato de Aegon II Targaryen. O Grande Meistre Orwyle confessou ter dado a Larys o veneno usado para matar Aegon, o Velho, e Sor Perkin, a Pulga, confessou ser o agente de Pé Torto. Enquanto Lorde Corlys Velaryon admitiu ter conspirado contra Aegon pelo bem dos Sete Reinos, Larys se recusou a confirmar ou negar as acusações de Cregan. Lorde Stark condenou os dois grandes senhores, mas Alysanne Blackwood o convenceu a poupar Lorde Velaryon.

Enquanto a maioria dos culpados seguiu Perkin e escolheram ir para a Patrulha da Noite, Lorde Larys e Sor Gyles Belgrave, da Guarda Real, escolheram a morte. Cregan decapitou o par com sua grande espada de aço valiriana, Gelo. Cregan concedeu o último pedido de Larys, que seu pé torto fosse removido de seu cadáver para que Larys estivesse ao menos livre dele na morte.

As cabeças de Larys e Gyles foram postas em lanças nos portões da Fortaleza Vermelha. O cadáver de Lorde Strong foi entregue às irmãs silenciosas e anos depois seus ossos foram levados para Harrenhal como seu local de descanso final. Cregan ordenou que o pé removido fosse enterrado em um campo, mas o membro desapareceu antes que isso pudesse ocorrer. Como Larys foi o último de sua linhagem, sua morte acabou com a Casa Strong.

Advertisement