Game of Thrones Wiki
Advertisement
Game of Thrones Wiki
Este artigo é sobre os répteis alados. Caso esteja procurando o vídeo de "Histórias e Tradição", veja "Dragons". Caso esteja procurando "dragões de ouro", veja Moeda.

"Dragões são inteligentes, mais inteligentes que homens de acordo com alguns meistres. Eles tem afeição por seus amigos e fúria para com seus inimigos."
Tyrion Lannister[fonte]

Os dragões são enormes répteis voadores que podem cuspir fogo. Os dragões possuem um poder terrível e devastador, capaz de devastar exércitos e transformar cidades inteiras em cinzas. Homens que foram capazes de domar e montar dragões como bestas de guerra os usaram em batalha e para forjar vastos impérios nos continentes de Essos e Westeros. O maior desses impérios foi a Cidade Franca de Valíria forjado pelos senhores dos dragões valirianos.

Aegon I Targaryen e suas irmãs usaram os últimos três dragões sobreviventes no mundo para conquistar e unificar os Sete Reinos de Westeros. Por gerações, os reis-dragão governaram grande parte de Westeros―mas os dragões eventualmente morreram depois de quase um século e meio, e a espécie foi posteriormente considerada extinta.

Ao mesmo tempo que a Guerra dos Cinco Reis começou em Westeros, Daenerys Targaryen estava de posse de três ovos de dragão petrificados. Eles foram dados a ela como um presente de casamento e, acidentalmente, foram chocados em uma grande fogueira feita por Daenery, trazendo de volta à vida três dragões. Após o retorno dessas criaturas ao mundo conhecido, a magia também voltou a ganhar força, mostrando uma possível conexão entre os dragões e a magia.

Biologia

Aparência

Os dragões têm corpos serpentinos longos, com pescoços e caudas proporcionalmente longas. Seus corpos têm quatro membros: duas pernas traseiras curtas e duas grandes asas como antebraço, um plano corporal similar ao de um morcego. Os dentes e as garras dos dragões adultos são tão longos e afiados quanto espadas.

Daenerys avança com seu exército e seus jovens dragões.

Como répteis, os dragões são cobertos em escamas, bem como os chifres espinhosos que cobrem suas costas. Cristas particularmente grandes de chifres enquadram as bordas de seus rostos, correndo ao longo da parte de trás do crânio e ao longo da linha do maxilar, que crescem maiores à medida que amadurecem. Os dragões adultos possuem dois conjuntos de lupa que correm ao longo das costas de seus pescoços e espinha, dois ao longo dos lados do pescoço e outros dois centrados mais perto da espinha dorsal, para um total de quatro folhos. Estes são formados por teias que crescem entre as espinhas córneas mais longas. Quando os dragões ficam agitados eles levantam esses folhos―semelhante a como um animal peludo como um gato levantando os pelos das costas quando nervoso, na tentativa de parecer maior para intimidar seus inimigos.

Os dragões têm diferentes padrões de cores.

A escala de cor dos dragões é altamente variável, os dragões históricos variaram em cores de preto a prata, vermelho, ouro e até mesmo azul. Alguns dragões eram de uma cor sólida, mas, com mais frequência, eles tendem a ter uma cor primária para a maior parte de seu corpo, com destaques em uma cor secundária ao longo de suas cristas espinhais, chifres e membranas de asa.

Além das várias tonalidades das escalas observadas entre espécimes, os dragões também apresentaram variações de cor dos olhos. Os dragões sendo répteis, tinham pupilas de fenda vertical com íris coloridas.

Os dragões também são mostrados para ter uma variedade de sons, desde de gritos até grunhidos ou assobios baixos. Eles podem até gritar.

Alimentação

Os dragões assam seus alimentos antes do consumo.

Os dragões são obrigatoriamente carnívoros, e precisam assar seu alimento antes de consumi-lo―os únicos animais além dos seres humanos que preferem a carne cozida. Dragões recém-nascidos que ainda não desenvolveram seu cuspe de fogo precisam de outro dragão―geralmente a mãe―para assar a carne para eles. Os dragões podem comer quase qualquer tipo de carne, desde de ovelha até peixe. Dragões históricos montados como bestas de guerra eram conhecidos por comer cavalos caídos e até homens no campo de batalha. Dragões totalmente crescidos poderiam engolir um cavalo inteiro.

Exalação de fogo

Pequenos tubos na boca de Drogon mostram por onde eles cospem fogo.

Provavelmente o atributo mais famoso dos dragões é a sua capacidade de cuspir fogo. Os mais antigos podem, inclusive, produzir uma chama mais intensa por mais tempo. Os dragões parecem produzir seu próprio fogo, expulsando produtos químicos de dois tubos na parte de trás da garganta: quando essas substâncias voláteis se combinam, sofrem uma intensa reação que explode em um jato de fogo direcionado. Os corpos de dragões também são muito resistentes ao fogo, particularmente suas próprias chamas, que nem danificam suas próprias bocas enquanto as expulsam. Alguns acreditam que, em muitos aspectos, os dragões são fogo em forma de carne: como diz o ditado "o fogo não pode matar um dragão".

Reprodução

Como a maioria dos répteis, os dragões colocam ovos. Os ovos de dragão são aproximadamente do tamanho da cabeça de uma criança humana e tão pesados ​​quanto uma pedra deste tamanho. O invólucro exterior é coberto de escamas, com padrões de cores muito diferentes entre ovos, geralmente combinando a cor do dragão dentro. Os ovos de dragão são notoriamente difíceis de chocar, embora possam manter a centelha da vida dentro deles por décadas, senão por séculos. A chave secreta para a incubação dos ovos parece envolver alguma forma de magia do sangue: como as palavras da Câmara dos Targaryens sugerem, requer "sangue e fogo". Para incubá-los, os ovos de dragão devem ser queimados em chamas rugindo, com os quais outra criatura é simultaneamente queimada viva―uma vida em troca de uma vida. Na natureza, isso pode ser apenas um animal de presa que o dragão parental mata, mas o sacrifício humano funciona também, especialmente se houver mais de um ovo para chocar.

Os detalhes exatos da reprodução de dragão sumiram da memória viva nos quase dois séculos desde que morreram. Várias teorias e rumores conflitantes foram distribuídos, alguns menos fundamentados de fato do que outros. Não está claro se a mãe guardava os ovos que tinha posto ou simplesmente deixava-os para chocarem e se defenderem, ou se o pai ajudava a mãe a cuidar deles. Os dragões eram, aparentemente, criaturas relativamente solitárias, embora desconheça se quaisquer relações hierárquicas formadas em grupos de dragões.

Maturação

Drogon do tamanho de um cão pequeno.

Os dragões recém-nascidos são do tamanho de um gato pequeno, mas eles crescem muito rapidamente, atingindo o tamanho de um cão pequeno em cerca de um ano e o tamanho de um pequeno pônei em apenas três ou quatro anos. Desconhece a que idade os dragões atingem a maturidade reprodutiva. Os dragões nunca param de crescer enquanto viviam e eles podem viver por séculos. O maior dragão Targaryen, Balerion, viveu por quase dois séculos e teve um crânio do tamanho de uma carruagem.

No entanto, se os dragões são encadeados ou confinados em um espaço fechado por longos períodos de tempo, isso pode dificultar o crescimento e o tamanho geral. Rhaegal e Viserion, que nasceram ao mesmo tempo do que Drogon, foram consideravelmente menores do que seu irmão, cerca de metade do seu tamanho depois de terem sido trancados sob a grande pirâmide de Meereen por quase dois anos em um estágio inicial de seu desenvolvimento.

Quando os dragões chocam, eles têm chifres ao redor de seus rostos e ao longo de suas espinhas, mas ainda são bastante pequenos e relativamente arredondados. Seus chifres crescem cada vez mais e são mais nítidos à medida que amadurecem, tornando o dragão mais perigoso e ameaçador. As quatro linhas de folhas de palmeiras ao longo da espinha de um dragão só crescem até um tamanho proeminente depois de terem aproximadamente um ano de idade.

Quanto maior o dragão, maior é o apetite. Ao chegarem à adolescência, aproximadamente quando eles são do tamanho de um pônei, eles tendem a ser rebeldes até certo ponto, bem como a forma de homens adolescentes, até grunhindo para seus pais. No entanto, à medida que amadurecem, essa característica desaparece.

Treinamento e equitação

Os dragões não podem ser verdadeiramente "domesticados", mas podem ser ligados e treinados. Os valirianos montaram dragões por milênios. Aegon, o Conquistador e suas irmãs, que desceram de Valíria, usaram seus três dragões para conquistar e unificar os Sete Reinos.

Os dragões são animais bastante inteligentes e como um cavalo ou um cão, eles podem ser treinados pelo seu piloto para responder aos comandos básicos de voz. Tyrion Lannister afirma que os dragões são muito inteligentes e rapidamente reconhecerão o amigo do inimigo. Se eles não estiverem treinados, eles rapidamente atacarão qualquer coisa ao seu redor. A chave para treinar dragões é garantir que eles sejam bem alimentados, deixando-o mais obediente.

Como eles não podem ser verdadeiramente domesticados, os dragões podem ser muito perigosos mesmo para seus cavaleiros. No entanto, eles podem formar laços muito fortes com eles e demonstrarão carinho e confiança para com eles.

Daenerys Targaryen treinou seus três dragões para responder aos comandos vocais na sua língua materna Alto Valiriano. Ela geralmente usa o comando "Dracarys", para o qual seus dragões respondem cuspindo instantaneamente fogo e queimando tudo em seu caminho.

História

Os primeiros dragões conhecidos foram mencionados como tendo seus covis nas Catorze Chamas, uma cadeia de vulcões que cruza o pescoço da Península Valiriana. Os valirianos, então pastores pacíficos, domesticaram os dragões com magia, e até aprenderam a dominá-los e montá-los como feras de guerra. Assim, eles começaram a expandir sua influência da Península para o resto de seu continente, formando a Cidade Franca e Valíria. Os dragões deram a vitória decisiva nas Guerras Ghiscari, durante as quais a Antiga Ghis foi reduzida a cinzas por fogo do dragão, e a cada vez maior Cidade Franca substituiu o Império Ghiscari como a cultura dominante de Essos.[1] Os Roinares sob comando de Nymeria fugiram para Dorne sem chance contra os dragões valirianos.[2]

Quatrocentos anos antes da Guerra dos Cinco Reis, todo o império valiriano foi destruído em um único dia, durante uma erupção vulcânica cataclísmica conhecida como Destruição de Valíria. A maioria dos dragões, ainda se espalhando nos vulcões, foi morta imediatamente.[3] Uma família nobre valiriana, os Targaryen, sobreviveram à Destruição na distante ilha de Pedra do Dragão além do Mar Estreito―junto com os últimos dragões valirianos sobreviventes.[4]

Os últimos dragões sobreviventes no mundo foram possuídos pela Casa Targaryen, que os usou para conquistar e unificar os Sete Reinos de Westeros trezentos anos antes da Guerra dos Cinco Reis.[4] A maioria dos dragões Targaryen morreu em uma luta civil conhecida como a Dança dos Dragões cerca de um século e meio depois, e depois disso, os únicos dragões que os Targaryen tiveram eram do tamanho de gatos. Logo após o fim da guerra civil, os últimos dragões Targaryen morreram e a espécie foi considerada extinta em todo o mundo.[5]

Seus crânios decoravam a sala do trono na Fortaleza Vermelha, porém foram removidos quando Robert I Baratheon ascendeu ao trono. Apesar de muitos não saberem onde eles haviam sido colocados―ou até se Robert ainda os mantiveram em bom estado―ele os colocou em diferentes andares do subsolo da Fortaleza Vermelha.[6]

Primeira Temporada

Um ovo de dragão, usado como uma herança ou item de valor.

Eventualmente, os dragões se tornaram figuras lendárias e muitos mitos foram criados sobre eles. Irri e Jhiqui acreditavam que homens bravos os mataram há muito tempo. Doreah ouvira histórias de dragões durante seu tempo como prostituta, uma delas contava sobre uma segunda lua que pairou no céu―acreditando que a lua era um ovo―e que ao se aproximar muito do sol, rachou e soltou os dragões; eles então beberam o fogo do sol e por isso cuspiam fogo. Quando a lua atual se aproximasse novamente do sol, os dragões regressariam.[7] Viserys Targaryen alegava que homens corajosos montaram os dragões―e não ao contrário como as aias de Daenerys alegavam―e contou a Doreah sobre os crânios de dragões que decoravam a sala do trono na Fortaleza Vermelha.[8] Jorah Mormont por outro lado era cético até mesmo a existência dos dragões de Aegon, o Conquistador, alegando que se passara muito tempo e não dava para saber o que realmente havia acontecido.[9]

Ovos de dragão de Daenerys, dados por Illyrio Mopatis.

Eles continuaram sendo o símbolo da Casa Targaryen, que sabiam ter uma afinidade especial com as criaturas. Até mesmo Daenerys Targaryen, que não sabia nada de sua verdadeira herança, sentia uma conexão com as relíquias dos animais antigos―três ovos de dragão dados a ela por Illyrio Mopatis como presente de casamento.[10] Ela sentiu uma conexão com os ovos, fazendo com que ela desenvolvesse uma curiosidade sobre a raça e a possibilidade de haver dragões vivos.[7]

Arya se impressionou com os dragões escondidos na Fortaleza Vermelha.

Enquanto perseguia gatos, Arya Stark se deparou com os crânios de dragão que Robert havia colocado nos andares inferiores da Fortaleza Vermelha. Ela se escondeu dentro de um crânio enquanto Illyrio e Varys passavam por lá, conspirando.

Daenerys eventualmente começou a cuidar com mais frequência de seus ovos, mantendo-os sempre próximos à velas e ao calor. Ela alegava que sonhou que se colocasse-os em uma grande fogueira, eles iriam chocar.[11] Eventualmente, quando Khal Drogo faleceu, Daenerys fez uma grande pira funerária, queimando junto Mirri Maz Duur, quem ela culpava pela morte do marido. Daenerys colocou os ovos de dragões e entrou na pira enquanto o fogo ardia. Quando as chamas cessaram, Jorah se surpreendeu ao ver Daenerys ainda viva, e com três dragões em sua volta. De alguma forma, a pira que Daenerys acendeu fez os ovos se chocarem, dando vida aos últimos três dragões do mundo.[12]

Segunda Temporada

Daenerys tentou alimentar Drogon com carne crua.

Sem saber como alimentá-los devidamente, Daenerys tentou dar de cormer a seus três dragões carne crua.[13] Mais tarde, ela aprendeu que eles preferiam o alimento assado, e os ensinou o comando "dracarys"―"fogo de dragão" em alto valiriano.[14] Por ter a posse dos últimos dragões vivos no mundo, Daenerys foi aceita em Qarth pelos Treze―apesar da relutância de alguns membros deste conselho.[15] Dentro dos portões da cidade, Daenerys foi bajulada pelos ricos e nobres de Qarth, e Jorah Mormont recebeu um conselho de Quaithe, avisando-o dos perigos que Daenerys enfrentaria por ter dado vida aos dragões.[14]

Durante sua estadia em Qarth, a noticia do retorno dos dragões começou a viajar para outras partes de Essos; os rumores eventualmente chegaram a Varys, que os mencionou para Tyrion Lannister, que se preocupava mais com a Batalha da Água Negra que estava por vir do que com dragões a milhares de quilômetros de distância.[16]

Os dragões de Dany queimaram Pyat Pree até a morte na Casa dos Imortais.

Eventualmente os dragões de Daenerys são roubados por Pyat Pree e escondidos na Casa dos Imortais, alegando que desde o retorno das criaturas, a magia dos magos se fortaleceu. Para mantê-la mais forte, Pyat planejou uma emboscada para Daenerys, acreditando que os dragões influenciariam ainda mais sua magia ao ficar perto de sua mãe. Ele no entanto, foi derrotado por ela que comandou aos seus dragões "dracarys", queimando o mago e escapando da Casa dos Imortais. Após isso, ela saqueou Qarth e prendeu seus traidores Xaro Xhoan Daxos e Doreah.[17]

Terceira Temporada

Drogon queimou Kraznys.

Daenerys avançou com seus dragões até a Baía dos Escravos, na esperança de adquirir um exército. Com nada mais para pagar os mestres escravos, ela oferece-lhes o seu maior dragão, Drogon, em troca de todos os oito mil soldados Imaculados, mesmo com Jorah e Barristan Selmy pedindo para ela não fazê-lo.[18] No entanto, durante a negociação, Daenerys alegou a Kraznys mo Nakloz, seu negociador, que um dragão não era um escravo, e mandou Drogon queimá-lo. Seus três dragões ajudaram a tomar Astapor, onde ela matou os mestres e libertou os Imaculados da escravidão―que também escolheram segui-la.[19]

Quando Daenerys seguiu para Yunkai, ela manteve seus três dragões em sua barraca enquanto recebia o embaixador yunkaísta Razdal mo Eraz. Em certo ponto, ela lançou casualmente um pedaço de carne para eles lutarem sobre ela, deixando Razdal desconfortável. Daenerys rejeitou a oferta de Razdal de deixar Yunkai sozinha em troca de um presente de ouro, mas manteve o ouro do yunkaísta usando seus dragões para assustar os guardas de Razdal. Quando Razdal ameaçou Daenerys, seus dragões se mostraram mais agitados, com Daenerys afirmando que foi por ter ameaçado a "mãe" deles. Razdal então saiu frustado da barraca.[20]

Daenerys decidiu não arriscar seus jovens dragões novamente em batalha, colocando-os contra Yunkai, enviando Daario Naharis, Jorah Mormont e Verme Cinzento para tomar a cidade às escondidas. Após a cidade ser libertada e os escravos soltos, eles foram recebidos do lado de fora da cidade por Daenerys e seus três dragões, que voaram pelo céu enquanto ela era erguida pelos seus novos libertos que a chamavam de "mhysa".[21]

Quarta Temporada

Durante sua jornada para Meereen, os dragões de Daenerys―agora maiores―brigaram com sua própria mãe enquanto comiam. Jorah alertou sua rainha que dragões são selvagens por natureza e nem mesmo a mãe deles poderiam controlá-los.[22]

Viserion e Rhaegal foram presos sob a pirâmide por Daenerys.

Depois que Daenerys reivindicou Meereen como sua rainha, Drogon continuou a buscar seus alimentos de forma independente, queimando e matando gado de agricultores que vivem em torno da região de Meeren.[23] Eventualmente, a imprudência de Drogon levou a queima de uma criança. Quando seu pai depositou os ossos de sua filha aos pés de Daenerys, ela decidiu prender seus dragões temendo acidentes semelhantes. Como Drogon não se encontrava em lugar nenhum, apenas Rhaegal e Viserion foram presos.[24]

Quinta Temporada

Rhaegal e Viserion desafiaram a presença de sua mãe.

Após muito tempo sem vê-los, Daenerys decidiu visitar Rhaegal e Viserion. Ela logo percebeu que eles se tornaram maiores e mais agressivos do que antes. Quando eles começaram a soltar fogo em sua direção, Daenerys não teve escolha a não ser deixá-los.[25] Quando Sor Barristan foi assassinado pelos Filhos da Harpia, Daenerys alimentou um dos Grandes Mestres a seus dragões para dar um exemplo do que acontece quando alguém desafia seu governo.[26]

Drogon defendeu Daenerys dos Filhos da Harpia.

Quando os Filhos da Harpia tentaram assassinar Daenerys durante os Grandes Jogos no Fosso Daznak, Drogon voltou para Meereen para proteger sua mãe. Apesar de ser ferido, o dragão negro conseguiu matar muitos dos Filhos da Harpia, usando suas presas e queimando o resto com suas chamas. Quando Daenerys o montou, ele fugiu voando para o norte.[27]

Sexta Temporada

Tyrion soltou os dois dragões.

Na Grande Pirâmide de Meereen, Tyrion, Varys, Verme Cinzento e Missandei decidiram libertar Rhaegal e Viserion enquanto Jorah e Daario procuravam Drogon e Daenerys. Tyrion foi quem desceu até os dragões, contando a eles sobre como, em sua infância, desejou ter um dragão, chegando ao ponto de pedir a um de seus tios. Apesar de aparentarem agressivos a Tyrion, os dragões logo perceberam que o anão pretendia soltá-los, e logo saíram de Meereen voando após conseguir sua liberdade.[28]

Drogon, ferido, deixou Daenerys no topo de uma montanha ao norte de Meereen. Visto que dele não conseguiria nenhuma ajuda, Daenerys decidiu sair sozinha a procura de comida ou pessoas, apenas para ser pega por um khalasar e levada para Vaes Dothrak.[29]

Quando a Sacerdotisa Vermelha Kinvara veio para Meereen de Volantis, ela contou a Tyrion e Varys que os dragões de Daenerys são presentes do Senhor da Luz e eles podem queimar os pecados para aqueles que têm falta de fé na rainha Targaryen.[30]

Drogon e Dany estão reunidos.

Durante a viajem do khalasar de Daenerys para Meereen, Drogon voltou a se reunir com ela novamente, maior do que estava quando a tirou de Meereen. Montada no dragão, Daenerys fez um discurso aos Dothraki, afirmando que de agora em diante todos eles seriam seus companheiros de sangue, e em troca pediu a eles que cumprissem a promessa que o falecido Khal Drogo fez a sua esposa―de tomar o Trono de Ferro de Westeros para Daenerys.[31]

Ao retornarem a cidade, Daenerys e Drogon se depararam com um cerco causado pelos Grandes Mestres. Usando Drogon para intimidá-los, enquanto Rhaegal e Viserion atacavam os navios e os Filhos da Harpia, Daenerys conseguiu retomar a cidade.[32] Depois que o Segundo Cerco de Meereen foi conquistado e a guerra para a Libertação da Baía dos Escravos terminou, os três Dragões voaram para o oeste ao lado da armada recentemente adquirida da Daenerys para Westeros.[33]

Sétima Temporada

Drogon, Rhaegal e Viserion voaram para a frente de sua mãe quando eles chegaram em Pedra do Dragão. Eles rodearam a ilha quando Daenerys entra e assegura o castelo.[34] A partir daí, a ilha voltou a ser a casa dos dragões em Westeros, com os habitantes dela rapidamente se acostumando a presença das criaturas.[35]

A fim de testar a nova arma de Qyburn contra os dragões de Daenerys, a nova Rainha Cersei I Lannister foi até onde os crânios estavam armazenados abaixo da Fortaleza Vermelha e, junto a Qyburn, testou os escorpiões no crânio de Balerion, o Terror Negro. A arma perfurou o crânio da besta, que mesmo após tantos anos, ainda mantinha uma resistência anormal. Eles então assumiram que o escorpião funcionaria contra os três dragões de Daenerys e começaram a fazê-los em grande escala.[36]

Daenerys montou em Drogon na tentativa de pegar os Lannisters desprevinidos.

Após saber do Saque de Jardim de Cima, Daenerys montou em Drogon e liderou guerreiros dothraki na Batalha da Estrada de Ouro―indo contra os conselhos de Tyrion que acreditava ser perigoso demais arriscar Daenerys em batalha, pois bastaria uma flecha para matá-la. Durante a luta, Sor Bronn da Água Negra feriu Drogon com um dos escorpiões de Qyburn, mas foi rapidamente derrotado pela fera, que cuspiu fogo em sua arma. Ao pousar para tratar suas feridas, Sor Jaime Lannister tentou avançar contra Daenerys―que tentava arrancar uma lança de seu dragão―apenas para Drogon cuspir fogo nele. Bronn no entanto, conseguiu salvar Jaime de ser queimado ao jogá-lo no rio próximo.[37]

Após a batalha, Daenerys usou Drogon para executar Lorde Randyll Tarly e seu filho, Dickon. O dragão os queimou vivo e os fez de exemplo para os outros lordes e soldados presentes, que em medo, se ajoelharam para Daenerys.[38]

Quando Daenerys retornou a Pedra do Dragão, Jon Snow foi capaz de acalmar a fera e tocar em seu rosto, impressionando Daenerys.[38]

Viserion foi ressuscitado pelo Rei da Noite.

Quando a equipe enviada para lá da Muralha para capturar uma criatura dos Caminhantes Brancos ficou encurralada em um lago congelado, Daenerys levou seus três dragões para salvá-los. Durante a batalha, o Rei da Noite derrubou Viserion com um dardo de gelo mágico, matando-o quase instantaneamente. Enquanto Drogon era usado como montaria de Daenerys, ela levou todos os que foram ao norte da Muralha exceto por Jon Snow, que tentou ficar para enfrentar o Rei da Noite. Ela foi obrigada a fugir sem ele, e sem Viserion. Eventualmente, Jon escapou com a ajuda de seu tio Benjen e retornou a Muralha. Enquanto a Viserion, ele foi içado do lago pelas criaturas e reanimado pelo Rei da Noite, tornando-se sua montaria.[39]

Durante o encontro no Fosso dos Dragões, Daenerys decidiu mostrar todo seu poderio, e foi montada em Drogon enquanto Rhaegal voava por Porto Real. Mais tarde, Cersei iria apontar a Jaime que o terceiro dragão não estava presente―assumindo que ele estava morto, Cersei pontuou que os dragões não são invulneráveis.[40]

O Rei da Noite montou Viserion para abrir uma brecha na Muralha.

Algum tempo mais tarde, enquanto guardavam a Muralha de Atalaialeste do Mar, Tormund Terror dos Gigantes e Beric Dondarrion foram surpreendidos pelo Rei da Noite montado em Viserion reanimado. Eles soltaram fogo na Muralha até quebrá-la, destruindo Atalaialeste no processo e abrindo caminho para os mortos avançarem para o sul.[40]

Oitava Temporada

Jon Snow montou em Rhaegal.

Os dragões estavam presentes quando Daenerys e seu exército chegou em Winterfell para lutar pelos vivos na Grande Guerra. Sansa Stark pontou que a presença dos dragões poderia causar dificuldades na alimentação do exército, especialmente considerando que o inverno havia chegado. Mais tarde, Daenerys logo percebeu que Rhaegal e Drogon não estavam comendo direito, e levou Jon até eles para checarem o bem-estar dos dragões. Ela pontuou que eles não gostavam do Norte, e decidiu levá-los para uma volta, pedindo a Jon que montasse em Rhaegal. Apesar de relutante no início, Jon montou no dragão e voou com Daenerys até uma cachoeira, onde se beijaram. Drogon logo demonstrou um desconforto ao ver a cena, mas não impediu o casal de continuar.[41]

Drogon queimou diversas criaturas durante a Batalha de Winterfell.

Mais tarde, quando os Caminhantes Brancos enfim chegaram a Winterfell, Jon e Daenerys usaram Drogon e Rhaegal para chegarem a um monte elevado onde poderiam observar e ficar de guarda para caso o Rei da Noite aparecesse. O objetivo dele era Bran Stark, e o plano era manter guarda até ele aparecer. No entanto, após a batalha começar com uma grande perda dos dothraki, Daenerys decidiu atacar de uma vez com Drogon, queimando diversas criaturas no processo. Jon avançou com Rhaegal até os Caminhantes, mas rapidamente foi detido por uma tempestade que eles invocaram, cegando-os quase completamente. Drogon e Rhaegal tiveram dificuldades em se guiar durante a tempestade, e não foram capazes de ver o sinal de Sor Davos Seaworth para acenderem as trincheiras de Winterfell―fazendo uma barreira de fogo para que os vivos pudessem se esconder atrás das Muralhas do castelo. Melisandre rapidamente cuidou das trincheiras enquanto Jon levava Rhaegal ao Bosque Sagrado para manter guarda sob Bran. Quando o atual Corvo de Três Olhos veste a pele dos corvos em Winterfell, ele voa até o Rei da Noite, que estava montado em Viserion. Ele ordenou os mortos para avançarem ao castelo e levou Viserion ao Bosque Sagrado―apenas para ver Jon montando guarda em Rhaegal e o esperando. O Rei da Noite então se afastou e atraiu Jon para fora do Bosque.[42]

Dragões dançaram nos céus durante a Batalha de Winterfell.

Rhaegal e Viserion lutaram constantemente e ferozmente pelos céus de Winterfell, até Drogon derrubar o Rei da Noite de seu irmão ressuscitado. Rhaegal também não resistiu aos ferimentos e caiu, derrubando Jon no processo. Daenerys então tentou queimá-lo com o fogo de Drogon―apenas para descobrir que o Rei da Noite é imune a fogo de dragão. Ele tentou acertar Drogon com o mesmo tipo de lança que matara Viserion, mas Daenerys conseguiu levá-lo para longe antes que o dardo o acertasse. Eventualmente ela retornou para ajudar Jon contra as criaturas recentemente reerguidas pelo Rei da Noite. Ela pousou próximo a Jon para lhe oferecer a montaria de Drogon, mas Jon preferiu seguir ao Bosque Sagrado e salvar Bran. Drogon logo se viu cercado de criaturas e ao tentar levantar voo, Daenerys caiu dele.[42]

Jon foi impedido de alcançar o Rei da Noite por Viserion.

Enquanto tentava avançar até o Bosque Sagrado, Jon se viu impedido por Viserion, que ficou em seu caminho queimando todos que se aproximassem de onde Bran estava. O dragão estava se despedaçando cada vez mais devido a recente luta contra seus irmãos, e se tornava cada vez mais instável. Fogo exalava de aberturas em seu corpo e, ao perceber Jon, lançou nele diversos jatos na tentativa de queimá-lo. Quando Arya Stark matou o Rei da Noite antes que ele pudesse atacar Bran, Viserion se despedaçou na frente de Jon. Drogon e Rhaegal sobreviveram a batalha e foram consolar Daenerys, que havia perdido Jorah para as criaturas.[42]

Com o Rei da Noite e seu exército destruídos, os dragões voaram de volta à Pedra do Dragão enquanto Daenerys retomava sua campanha para tomar o Trono de Ferro. Ao chegar na ilha, Euron e sua Frota de Ferro os emboscaram com seus escorpiões, atingindo Rhaegal três vezes antes de matá-lo, deixando Drogon como o único dragão vivo conhecido no mundo.[43]

Sandor e Gregor Clegane duelaram enquanto a Fortaleza Vermelha era destruída por Drogon.

Mais tarde, Daenerys levou Drogon para os portões de Porto Real na tentativa de negociar a vida de Missandei, que fora capturada no ataque de Euron a Pedra do Dragão. No entanto, as negociações falharam e Missandei foi executada na frente de todos. Quando Daenerys decidiu atacar Porto Real, ela montou Drogon e rapidamente destruiu as forças da Companhia Dourada de Cersei, levando os soldados Lannister a se renderem. Mesmo com a rendição, Daenerys em sua fúria avançou com Drogon pela cidade, queimando todos os civis que se encontravam em seu caminho até a Fortaleza Vermelha. Ela causou grande destruição na cidade até chegar ao castelo, onde o reduziu a ruínas.[44]

Drogon queimou o Trono de Ferro antes de deixar Westeros com o corpo de sua mãe.

Mais tarde, Daenerys pousou Drogon perto dos destroços da sala do trono, onde Jon o encontrou descansando sobre as cinzas do castelo que destruiu. Quando Jon matou Daenerys, Drogon se aproximou do corpo de sua mãe, sem vida, e queimou o Trono de Ferro que ela tanto buscava. Não se sabe exatamente o por que de Drogon tê-lo feito, mas ele não atacou Jon, e apenas levou o corpo de sua mãe para o leste, desaparecendo de vez. Nem mesmo Brandon I Stark foi capaz de encontrá-lo mais tarde, após ser eleito o novo rei dos Seis Reinos de Westeros.[45]

Dragões conhecidos

Dragões de Daenerys

Dragões históricos

Dragões de Aegon, o Conquistador

  • Balerion, o maior dragão conhecido que já viveu. Tinha mais de 200 anos quando morreu. O Trono de Ferro foi forjado por suas chamas. Seu crânio ficou armazenado na Fortaleza Vermelha, inicialmente ao lado do trono durante o reinado Targaryen, e após a Rebelião de Robert, guardado no subsolo da Fortaleza Vermelha.
  • Meraxes, o dragão da esposa-irmã de Aegon, o Conquistador, Rhaenys. Seu crânio ficou armazenado na Fortaleza Vermelha.
  • Vhagar, o dragão da esposa-irmã de Aegon, o Conquistador, Visenya. Seu crânio ficou armazenado na Fortaleza Vermelha.

Outros dragões

  • Sunfyre, montagem pessoal de Aegon II Targaryen. Morreu de suas feridas que foram adquiridas durante a Dança dos Dragões.
  • Syrax, montagem pessoal de Rhaenyra Targaryen. Morto no Assalto ao Fosso dos Dragões.
  • Caraxes, montagem pessoal de Daemon Targaryen. Morto na Batalha acima do Olho de Deus.
  • Meleys, montagem pessoal de Rhaenys Targaryen. Morto no Cerco a Pouso de Gralhas.
  • Vermax, montagem pessoal de Jacaerys Velaryon. Morto na Batalha de a Goela.
  • Arrax, montagem pessoal de Lucerys Velaryon. Morto na Dança acima de Ponta Tempestade.
  • Tempestade, montagem pessoal de Aegon III Targaryen. Morto por feridas adquiridas durante a Dança dos Dragões.
  • Roubovelha, montagem pessoal de Urtigas. Desapareceu durante a Dança dos Dragões.
  • Fumaresia, montagem pessoal de Laenor Velaryon. Mais tarde montado por Addam de Hull. Morto por Vermithor na Segunda Batalha de Tumbleton.
  • Vermithor, montagem pessoal de Jaehaerys I Targaryen. Mais tarde montado por Hugh Martelo. Morto na Segunda Batalha de Tumbleton.
  • Asaprata, montagem pessoal de Alysanne Targaryen. Mais tarde montado por Ulf, o Branco. Se tornou selvagem após a morte de Vermithor.
  • Mercúrio, montagem pessoal de Aegon Targaryen. Morto por Balerion durante a Batalha no Olho de Deus.
  • Shrykos, um dragão que viveu durante a Dança dos Dragões. Morto durante o Assalto ao Fosso dos Dragões.
  • Morghul, um dragão que viveu durante a Dança dos Dragões. Morto durante o Assalto ao Fosso dos Dragões.
  • Tyraxes, um dragão que viveu durante a Dança dos Dragões. Morto durante o Assalto ao Fosso dos Dragões.
  • Dreamfyre, um dragão que viveu durante a Dança dos Dragões. Morto durante o Assalto ao Fosso dos Dragões.
  • Vermithrax, um dragão mencionado por Viserys Targaryen que costumava ter o crânio decorando a sala do trono na Fortaleza Vermelha.
  • Ghiscar, um dragão mencionado por Viserys Targaryen que costumava ter o crânio decorando a sala do trono na Fortaleza Vermelha. Aparentemente nomeado em homenagem a região Ghiscar.
  • Valryon, um dragão mencionado por Viserys Targaryen que costumava ter o crânio decorando a sala do trono na Fortaleza Vermelha.
  • Essovius, um dragão mencionado por Viserys Targaryen que costumava ter o crânio decorando a sala do trono na Fortaleza Vermelha.
  • Archonei, um dragão mencionado por Viserys Targaryen que costumava ter o crânio decorando a sala do trono na Fortaleza Vermelha.
  • O último dragão conhecido vivo mencionado por Viserys Targaryen.

Dragões relacionados

Nos bastidores

Os dragões na série de TV são criações CGI, embora na segunda temporada―quando eles eram do tamanho de gatos pequenos―os atores usaram fantoches de dragão no set, para se certificar de que seus olhos estivessem alinhados as criaturas.

O editor de som supervisor Tim Kimmel explicou em uma entrevista da quarta temporada o que contribuiu para a criação dos efeitos sonoros do grito do dragão e outras vocalizações: "Cada dragão tem vários gritos de animais empilhados e colocados juntos para criá-lo... [na terceira temporada] usamos o som de acasalamento de duas tartarugas. Existem vários pássaros que se acostumam lá. Nós introduzimos algumas outras coisas lá―na temporada passada, ouvimos alguns sons estranhos de golfinhos. Acho que há uma foca irritada em algum lugar, durante alguns dos pontos de raiva. Às vezes usamos leões rosnando."[46]

Para criar o ruído de garras de dragão batendo contra superfícies duras enquanto se movem, a equipe de efeitos sonoros usou uma combinação de ossos de costela de boi e também pregos colados a quente em luvas de jardinagem. Dessa forma, bater os dedos da luva contra uma superfície dura soa mais realista, como as garras individuais de um dragão atingindo uma superfície.[46]

Na quinta temporada, Drogon tem cerca de 12 metros de comprimento do focinho à ponta da cauda, e 20 por cento maior do que os outros dois dragões (tornando-os cerca de 10 metros de comprimento). Na quinta temporada, várias características do dragão foram copiadas de diferentes animais da vida real: dragões de Komodo, iguanas, lagartos com chifres e crocodilos. Os movimentos físicos dos dragões eram derivados de águias e morcegos, enquanto, para sua decolagem, pelicanos eram usados como referência.[47] Joe Bauer afirmou que na sexta temporada, os dragões dobrarão de tamanho mais uma vez―o que faria Drogon ter cerca de 25 metros de comprimento e os outros dois cerca de 19 metros de comprimento.[48]

Na quinta temporada, para dar aos atores um suporte melhor para reagir, em vez de apenas balançar uma bola de tênis e fingir que estava cuspindo fogo, a equipe de efeitos especiais deu um passo a mais para construir um guindaste cuspidor de fogo. Eles começaram com um Technodolly, um guindaste controlado por movimento com um braço de 4 metros e meio de altura que se move em diferentes direções enquanto sua base rola ao longo de um trilho, com um braço telescópico que normalmente segura uma câmera. A equipe então retirou a câmera e, em seu lugar, montou um lança-chamas que podia atirar fogo em até quinze metros. O guindaste foi então programado com os movimentos de Drogon, para que pudesse repetir a mesma sequência indefinidamente para vários ândulos da mesma tomada. Assim, a equipe de dublês, os atores e os diretores sempre sabiam exatamente onde o dragão e seu fogo deveriam estar. Após o término das filmagens, os artistas digitais adicionaram o corpo de Drogon ao redor das chamas reais da cena. Um segundo método que eles usaram na quinta temporada foi o sistema "SimulCam": uma animação básica do dragão seria salva no monitor da câmera e imposta sobre o que era apontado, para que os cinegrafistas e diretores sempre pudessem ver onde um dragão deveria estar estar se movendo em qualquer cena.[47]

Nos livros

Nos romances de As Crônicas de Gelo e Fogo, os dragões são descritos como criaturas de quatro membros, duas pernas e dois braços de asas. Na tradição europeia, essa criatura era mais frequentemente chamada de wyvern, e os "dragões" eram conhecidos como criaturas de seis membros, com quatro pernas regulares e um par de asas brotando de suas costas. George R.R. Martin confiou na ciência e no folclore ao construir seus dragões e, como ele e outros autores de fantasia apontaram, em termos de física da vida real, seria muito mais difícil para um dragão de seis membros voar de verdade do que um dragão de quatro membros. Além disso, uma vez que todos os vertebrados terrestres conhecidos (ou seja, animais com coluna vertebral) têm apenas quatro membros, faz mais sentido evolucionário ter os membros dianteiros do dragão modificados em asas―como com pássaros, morcegos e pterossauros pré-históricos―em vez de desenvolver um conjunto inteiramente novo de membros do nada.

Nos livros, os ossos dos dragões são pretos devido ao seu alto teor de ferro. Na série de TV, o crânio que Arya Stark vê sob a Fortaleza Vermelha é mostrado ser branco, mas o cabo de osso de dragão da adaga usada na tentativa de matar Bran é preto. O osso de dragão é especialmente preferido para fazer arcos, pois é mais forte e mais flexível do que a madeira, fazendo com que as flechas voem muito mais longe. O osso do dragão também é à prova de fogo, o que lhe dá outra vantagem sobre os arcos de madeira.

Os dragões, como certas espécies de anfíbios e peixes, não têm sexo biológico fixo; eles podem alternar entre macho e fêmea para atender às necessidades reprodutivas da espécie. Apesar disso, eles são geralmente referidos no masculino; apenas os que tiveram ovos confirmados foram chamados de fêmeas.

De acordo com os registros valirianos, os dragões nascem pequenos―aproximadamente do tamanho de um gato comum―crescendo à medida que envelhecem e seus apetites aumentam; fisicamente, um dragão nunca para de crescer enquanto permanecer alimentado, e foi dito que Balerion, o Terror Negro, o dragão de Aegon, o Conquistador, era tão grande quando morreu que podia engolir um auroque inteiro. Os dragões podem ter uma vida útil extremamente longa, mas Barristan Selmy afirma que não se sabe ao certo quanto tempo um dragão vive antes de morrer de causas naturais. Isso ocorre principalmente porque os dragões foram originalmente treinados e usados como armas de guerra e, portanto, geralmente morriam de violentas causas não naturais. Balerion pode muito bem ter sido o único dragão Targaryen que cresceu até a idade adulta saudável e simplesmente morreu de velhice.

Uma espécie de piada nos romances é que os dragões parecem preferir ovelhas como alimento principal―embora comam qualquer animal menor do que eles se estiverem com fome o suficiente. Os antigos valirianos que primeiro treinaram e montaram dragões eram pastores e, como tal, alimentavam suas montarias com ovelhas. Durante a grande guerra civil Targaryen conhecida como a Dança dos Dragões, um dragão selvagem tinha tal afeição por ovelhas que o povo pequeno cujo gado ele roubou o chamou de "Roubovelha". Uma garota chamada Urtigas finalmente conseguiu criar um vínculo com o Roubovelha quando percebeu sua preferência, e passou a trazer para ele uma nova ovelha todos os dias até que ele se acostumou com a presença dela. Em Meereen, os dragões de Daenerys costumavam atacar os rebanhos de pastores locais: em um esforço para aplacar Drogon depois que ele se solta, vários animais são reunidos em poços de combate locais para tentar mantê-lo bem alimentado o suficiente para que ele não ataque mais humanos: um curral cheio de touros e outro com uma grande variedade de animais exóticos de todo o mundo (leões, tigres, ursos, etc.) que foram feitos para lutar nos fossos―mas mesmo com esta ampla seleção de refeições em potencial, Drogon ainda preferia ir atrás do cercado cheio de ovelhas. Esta pode ser uma referência ao mito da vida real de São Jorge e o dragão: as aldeias sendo atacadas por um dragão aplacaram a besta por um tempo, deixando-a ovelhas frescas como tributo (embora eventualmente elas tenham ficado sem ovelhas, e tiveram que começar a sacrificar jovens donzelas). Essa preferência por ovelhas não era uma regra absoluta para todos os dragões: durante a Dança, dizia-se que um dragão chamado Fantasma Cinzento tinha gosto por peixes, e os pescadores frequentemente o viam à distância arrebatando presas das águas. Os dragões maiores eram conhecidos por engolir bois e cavalos inteiros e, após as batalhas, alimentarem-se com os homens caídos e suas montarias.

Além de sua capacidade de cuspir fogo, os dragões eram ferozmente fortes. Eles eram, no entanto, vulneráveis ​​ao fogo contínuo de flechas do solo, ao veneno e a ataques de outros dragões. De acordo com Tyrion―que leu livros sobre o assunto―os olhos de um dragão são seu único verdadeiro ponto fraco (não a garganta ou a barriga como afirmam os contos de velhas), e que a única maneira certa de matar um dragão é furar seus olhos profundo o suficiente para perfurar o cérebro atrás deles: Meraxes, o dragão de Rhaenys Targaryen, foi morto exatamente dessa maneira durante um conflito com os dorneses. Apenas outros dragões são fortes o suficiente para perfurar as escamas de um dragão, com dentes e garras. Alguns dos dragões mais jovens que morreram na Dança, que ainda não tinham escamas grossas, foram mortos perfurando suas peles, mas isso ainda era muito difícil.

O resultado final é que, embora os dragões fossem extremamente poderosos, eles não eram totalmente invencíveis. Além disso, dada sua raridade e o grande esforço/despesa em treiná-los, eles não foram simplesmente implantados em batalha por capricho: até mesmo Aegon, o Conquistador, estava relutante em comprometer todos os seus dragões em uma única batalha, por medo de que eles pudessem ser subjugados por um número maior. Assim, Aegon assumiu um risco calculado quando ele libertou todos os seus três dragões pela primeira e única vez no Campo de Fogo, a batalha que garantiu sua conquista.

Os dragões são criaturas muito inteligentes―às vezes parecendo se aproximar dos níveis humanos de inteligência e emoção―mas eles nunca mostram isso especificamente: os dragões não podem falar fisicamente e, embora possam entender comandos de voz de humanos, isso não é mais do que um cão ou um cavalo pode fazer. Em vez disso, os dragões parecem ter algum tipo de nível de inteligência superior e não natural; eles parecem estar mais em sintonia com o funcionamento do universo―ou seja, "mágica" ou "destino" ou "natureza"―do que os humanos e possuem um senso de consciência mental que os humanos não possuem. De alguma forma, eles são frequentemente capazes de sentir quando o cavaleiro humano com o qual estão ligados precisa deles―algo sugerido no episódio da quinta temporada "The Dance of Dragons", quando Drogon chega aparentemente de lugar algum para resgatar Daenerys.

Notavelmente, no final da série, quando Drogon encontra um triste Jon segurando Daenerys, e descobre que ela foi assassinada, o dragão não incinera Jon―que é o que ele normalmente faria com qualquer um que machucasse Daenerys. Em vez disso, Drogon derrete o Trono de Ferro e, quer ele perceba ou não, destruiu a mesma coisa que havia causado tanto derramamento de sangue entre os ancestrais Targaryen. Os historiadores em Westeros frequentemente lamentam que os homens nunca possam entender verdadeiramente a mente de um dragão, e que às vezes os dragões realizam certas ações por razões inescrutáveis.

Embora os métodos específicos usados ​​em treiná-los não sejam amplamente conhecidos na época dos romances―tais informações foram quase todas perdidas na Destruição de Valíria―há muito se acredita que apenas aqueles que possuem sangue valiriano―como os Targaryen―pode se relacionar com dragões e cavalgá-los. Isso pode ser pela simples razão de que os valirianos foram os primeiros a realizar essa façanha, e os dragões parecem ser inerentemente mais amigáveis ​​perto de pessoas com pelo menos um pouco de sangue valiriano. Essa também pode ser a razão para a infame tradição de casamento incestuoso dos senhores dragão; se seu sangue valiriano se tornasse muito diluído ao se casar e se reproduzir com estranhos, seu controle sobre seus dragões se tornaria menos estável. Durante a Dança dos Dragões, por exemplo, Rhaenyra Targaryen tinha muitos dragões à sua disposição, mas não aliados suficientes para montá-los. Portanto, ela procurou qualquer bastardo Targaryen sobrevivente na esperança de que sua descendência valiriana parcial os capacitasse a se relacionar com os dragões―o que alguns eram capazes de fazer, mas outros não.

Os senhores dos dragões da Antiga Valíria eram conhecidos por controlar suas montarias com chicotes, feitiços de amarração e berrantes de feitiçaria. Euron Greyjoy afirma ter esse berrante, que ele chama de "Berrante de Dragão". Ele o deu a seu irmão Victarion para "drobrar" os dragões de Daenerys, mas ainda não foi testado.

Curiosidades

  • O design e a aparência dos dragões foram motivados pelos dragões no filme de ficção científica Reign of Fire (2002).

Links externos

Referências

  1. "Old Ghis & Slaver's Bay", "Histórias e Tradição"
  2. "House Martell", "Histórias e Tradição"
  3. "Valyria and the Dragons", "Histórias e Tradição"
  4. 4,0 4,1 "House Targaryen", "Histórias e Tradição"
  5. "The Dance of Dragons", "Histórias e Tradição"
  6. "The Wolf and the Lion", Episódio 05 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  7. 7,0 7,1 "The Kingsroad", Episódio 02 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  8. "Cripples, Bastards, and Broken Things", Episódio 04 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  9. "You Win or You Die", Episódio 07 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  10. "Winter Is Coming", Episódio 01 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  11. "The Old Gods and the New", Episódio 06 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  12. "Fire and Blood", Episódio 10 da Primeira Temporada de Game of Thrones
  13. "The North Remembers", Episódio 01 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  14. 14,0 14,1 "The Ghost of Harrenhal", Episódio 05 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  15. "Garden of Bones", Episódio 04 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  16. "The Prince of Winterfell", Episódio 08 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  17. "Valar Morghulis", Episódio 10 da Segunda Temporada de Game of Thrones
  18. "Walk of Punishment", Episódio 03 da Terceira Temporada de Game of Thrones
  19. "And Now His Watch is Ended", Episódio 04 da Terceira Temporada de Game of Thrones
  20. "The Bear and the Maiden Fair", Episódio 07 da Terceira Temporada de Game of Thrones
  21. "Mhysa", Episódio 10 da Terceira Temporada de Game of Thrones
  22. "Two Swords", Episódio 01 da Quarta Temporada de Game of Thrones
  23. "The Laws of Gods and Men", Episódio 06 da Quarta Temporada de Game of Thrones
  24. "The Children", Episódio 10 da Quarta Temporada de Game of Thrones
  25. "The Wars to Come", Episódio 01 da Quinta Temporada de Game of Thrones
  26. "Kill the Boy", Episódio 05 da Quinta Temporada de Game of Thrones
  27. "The Dance of Dragons", Episódio 09 da Quinta Temporada de Game of Thrones
  28. "Home", Episódio 02 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  29. "The Red Woman", Episódio 01 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  30. "The Door", Episódio 05 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  31. "Blood of My Blood", Episódio 06 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  32. "Battle of the Bastards", Episódio 09 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  33. "The Winds of Winter", Episódio 10 da Sexta Temporada de Game of Thrones
  34. "Dragonstone", Episódio 01 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  35. "The Queen's Justice", Episódio 03 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  36. "Stormborn", Episódio 02 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  37. "The Spoils of War", Episódio 04 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  38. 38,0 38,1 "Eastwatch", Episódio 05 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  39. "Beyond the Wall", Episódio 06 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  40. 40,0 40,1 "The Dragon and the Wolf", Episódio 07 da Sétima Temporada de Game of Thrones
  41. "Winterfell", Episódio 01 da Oitava Temporada de Game of Thrones
  42. 42,0 42,1 42,2 "The Long Night", Episódio 03 da Oitava Temporada de Game of Thrones
  43. "The Last of the Starks", Episódio 04 da Oitava Temporada de Game of Thrones
  44. "The Bells", Episódio 05 da Oitava Temporada de Game of Thrones
  45. "The Iron Throne", Episódio 06 da Oitava Temporada de Game of Thrones
  46. 46,0 46,1 [http://www.vanityfair.com/vf-hollywood/game-of-thrones-sound-effectshttp://www.vanityfair.com/vf-hollywood/game-of-thrones-sound-effects Game of Thrones: The Secrets Behind All the Stabbings, Screams, and Sex Scenes
  47. 47,0 47,1 Revista TV Guide, 9-16 de abril de 2015
  48. The Real Magicians of 'Game of Thrones': Effects Wizards Share Secrets of Westeros (yahoo.com)
Advertisement