FANDOM


KingsguardArmor GOTExhibition

A armadura de um cavaleiro da Guarda Real.

Muitos tipos de armamento – armas, armaduras e outros instrumentos de guerra – podem ser encontrados em todo o mundo conhecido. Desde armas portáteis até modos de transporte, os modelos desses instrumentos são tipicamente influenciados pelas culturas que os criaram e pelo uso desejado no campo de batalha.

História

Vidro de dragão e bronze

Dragonglass Spear

Armas de vidro de dragão encontradas no Punho dos Primeiros Homens.

Em Westeros, o uso de armas remonta à Era da Aurora. Os Filhos da Floresta utilizavam vidro de dragão – uma rocha vulcânica negra também conhecida como "obsidiana" – para fabricar suas lâminas. Embora seja muito frágil para moldar espadas, o vidro de dragão é extremamente afiado e pode ser transformado em adagas, pontas de flecha e até pontas de lança altamente eficazes. Os Filhos também utilizavam grama, vinhas e outros elementos naturais para moldar várias armadilhas. Todos esses instrumentos eram usados originalmente para a caça.

Quando os Primeiros Homens migraram para Westeros há doze mil anos, eles introduziram no continente armas e armaduras feitas de bronze (uma liga de cobre e estanho).[1] Bronze também era utilizado pelo antigo Império Ghiscari, estabelecido nas regiões de Ghiscar e da Baía dos Escravos, em Essos – as minas de cobre na região foram usadas para produzir armamentos de bronze para as legiões de infantaria do império.

Ferro e aço

HL HG Andal Invasion

A invasão ândala trouxe a metalurgia do ferro e do aço para Westeros.

Armamentos de ferro e aço passaram a ser amplamente utilizados mais tarde: em Essos, a metalurgia do ferro foi desenvolvida pelos roinares, um povo que vivia ao longo do rio Roine na parte ocidental do continente. Os roinares acabaram passando essa tecnologia para os ândalos e valirianos, os quais a utilizariam para remodelar o cenário geopolítico do mundo:

  • Os armamentos de ferro foram um fator decisivo na invasão ândala a Westeros há seis mil anos, superando os Primeiros Homens, que estavam equipados com armas e armaduras feitas de bronze. No Norte, os Primeiros Homens conseguiram impedir que os ândalos estabelecessem uma base considerável em suas terras, mas por fim adotaram muitos de seus costumes, incluindo seu idioma, sistema de escrita e conhecimento da metalurgia do ferro. Na Westeros atual, armas e armaduras de bronze são consideradas relíquias e normalmente não são vistas no campo de batalha. No entanto, alguns dos selvagens mais sofisticados que vivem para lá da Muralha – como os Thenns – ainda forjam suas próprias armas de bronze, assim como seus ancestrais Primeiros Homens.[2] Embora não tenham a capacidade de fabricar suas próprias armas de ferro (a maior parte do armamento deles é feita de elementos naturais, como ossos, pedras e madeira), os selvagens frequentemente negociam com contrabandistas no litoral, trocando peles de animais valiosas por armas de ferro. Eles também vasculham patrulheiros mortos da Patrulha da Noite por armas de ferro e de aço. Portanto, não é inédito que armas de ferro sejam encontradas na posse do Povo Livre.
  • As terras sob as Quatorze Chamas, uma cadeia de vulcões na Península Valiriana, eram altamente ricas em minérios metálicos. A Cidade Franca de Valíria minerava esses recursos desde seus primeiros dias e inicialmente usava o cobre extraído da terra para fabricar armas de bronze, antes de fazer a transição para a metalurgia do ferro posteriormente. A Cidade Franca usou armas de ferro durante sua conquista do Império Ghiscari há cinco mil anos e conseguiu desenvolver essa tecnologia ao ponto de derrotar também os roinares.[3]

Aço valiriano

Valyrian Steel Histories & Lore

O aço valiriano era supostamente forjado com ajuda de feitiços mágicos e fogo de dragão.

A Cidade Franca também levou a tecnologia metalúrgica ao seu auge com a criação do aço valiriano, um aço de alta qualidade que era supostamente forjado com a ajuda de feitiços mágicos e fogo de dragão. O aço valiriano era muito mais leve que o aço convencional e, quando moldado em armas, permanecia eternamente afiado. Após a Perdição de Valíria, o conhecimento de como forjar novo aço valiriano foi perdido. As atuais armas de aço valiriano são valiosíssimas e só é possível fabricar novas através da fusão de outras já existentes. Até o conhecimento de como reforjar o aço valiriano existente é extremamente limitado: os ferreiros de Qohor, famosos por sua habilidade, estão entre os únicos capazes de realizar o feito e, mesmo assim, com dificuldade.

Foi comprovado recentemente que vidro de dragão e aço valiriano[4] são capazes de matar Caminhantes Brancos, sendo as únicas substâncias conhecidas capazes de fazê-lo.

Armas

Espadas

As espadas podem ser categorizadas em três tipos básicos, dependendo do tamanho e da forma como são utilizadas em batalha. O modelo mais comum de espada é a espada longa, que normalmente é manejada com uma mão enquanto a outra segura um escudo (ou, mais raramente, outra arma). Geralmente quando se diz apenas "espada" está se fazendo referência a uma espada longa. As espadas largas, também conhecidas como espadas grandes, são muito maiores do que as espadas longas e só podem ser manejadas com as duas mãos, impedindo o uso de um escudo. As espadas bastardas, também conhecidas como espadas "de uma mão e meia", são de tamanho intermediário, sendo maiores que as espadas longas, porém curtas o suficiente para serem manejadas com uma mão só se necessário, embora seja preferível usar as duas mãos (são chamadas espadas "bastardas" porque não se encaixam em nenhuma das outras categorias).

(Observação: as espadas na Europa medieval da vida real tinham sistemas de nomenclatura muito mais complexos para categorias distintas ou utilizavam nomes diferentes – a categorização básica em espada longa/espada bastarda/espada larga é o que é usado dentro do universo dos livros de As Crônicas de Gelo e Fogo, e que também foi utilizado em diálogos na continuidade da série de TV).

Espadas largas:

Espadas bastardas:

Espadas longas:

Muitas outras espadas específicas – geralmente espadas de família feitas de aço valiriano – são vistas no decorrer da série, mas suas classificações não são mencionadas especificamente:

O esquema de classificação listado acima se aplica predominantemente às espadas usadas por cavaleiros westerosi, bem como outros guerreiros nos Sete Reinos. Ao redor do mundo conhecido, há muitos outros tipos de espadas que não se encaixam em nenhuma das categorias mencionadas acima:

  • Rapieira braavosi — a espada Agulha, forjada sob medida para Arya Stark, foi feita no estilo de uma rapieira braavosi. Os espadachins braavosi são famosos por seu estilo de luta "Dança da Água", que se baseia muito em velocidade e delicadeza.[6] Por isso, a lâmina é fina e leve, destinada a ataques rápidos de impulsão.
Jaime sword fight dorne s5

Jaime bloqueia uma cimitarra dornesa com sua mão de metal.

  • Cimitarra dornesa — soldados e guardas em Dorne usam espadas curvas chamadas cimitarras.[7] Embora tenha aproximadamente o mesmo tamanho de uma espada longa, sua lâmina curva é manejada em um estilo de corte, ao contrário do típico golpe de perfuração de uma espada longa.
    • Viserys Targaryen é visto carregando uma lâmina ligeiramente curva, mas ela não aparenta ser uma cimitarra no sentido mais estrito da palavra.[9] Essa espada pode ser a mesma ou uma semelhante à que seu irmão Rhaegar foi visto carregando durante seu casamento clandestino com Lyanna Stark.[10]
    • Harry Strickland, comandante da Companhia Dourada, foi visto portando uma espada curva distinta, provavelmente uma cimitarra.[11]
  • Arakh dothraki — esta lâmina curva é a arma característica dos senhores de cavalos dothraki. Empunhada a pé e a cavalo, o desenho da arma é meio espada, meio foice, ideal para movimentos espaçosos e cortantes.[12] O mercenário tyroshi Daario Naharis também usa um arakh como sua arma primária.

Armas brancas pequenas

Há também vários tipos de armas brancas que são menores que uma espada longa, como espadas curtas e adagas. Não há uma definição específica para quando uma adaga grande se torna uma espada pequena e vice-versa; em geral, uma adaga é considerada uma arma secundária.

  • Adaga do assassino — esta arma, com uma lâmina de aço valiriano e um punhal de osso de dragão, foi usada por um assassino sem nome em um atentado contra a vida de Bran Stark, frustrado pelo lobo gigante de Bran, Verão.[13] A posse da adaga e quem ordenou o assassinato foram um fator importante para o início da Guerra dos Cinco Reis. Mais tarde, ela passou à posse de Arya Stark, que a utilizou para matar o Rei da Noite durante a Batalha de Winterfell.[14]
  • Estilete myrish — estiletes são adagas com lâminas longas e finas (semelhante em forma a uma rapieira, mas muito menores em tamanho), fabricados na Cidade Livre de Myr. Daario Naharis usa um estilete como arma secundária.
  • Faca de esfolamento — a Casa Bolton nunca possuiu uma espada ancestral (de aço valiriano ou não) para passar através das gerações; em vez disso, transmitia uma faca fina e afiada usada para esfolar a pele dos prisioneiros vivos. Essa prática infame foi retratada no emblema dos Bolton com um homem esfolado.[15]
Tyene daggers

As adagas duplas de Tyene Sand.

  • Adagas duplas – Tyene Sand, a terceira filha de Oberyn Martell, usava adagas idênticas como suas armas principais, empunhando ao mesmo tempo uma em cada mão.[7] Ela era conhecida por revestir as lâminas dessas adagas com um veneno chamado "Longo Adeus", que causava uma morte lenta a suas vítimas com uma única gota.[16]

Armas de haste

O termo "arma de haste" se refere genericamente a qualquer tipo de arma montada em um cabo. Lanças, machados e martelos de guerra são todos membros deste grupo.

Lanças

Knight of the Flowers

Loras Tyrell empunhando uma lança a cavalo.

  • Lanças de cavalaria são tradicionalmente empregadas por cavaleiros montados, e lanças cegas ou de madeira são usadas em torneios de justa.
  • As lanças altas eram uma arma característica dos roinares, empunhadas por homens e mulheres.[17]
2x04 CivicGuard

Guarda Cívica de Qarth.

707 Unsullied

Soldados Imaculados com suas lanças características.

  • O treinamento das legiões do antigo Império Ghiscari, bem como dos atuais Imaculados, incluía o domínio de três tipos diferentes de lanças.[20] No campo, os Imaculados lutam como uma unidade em formações disciplinadas de falange. Suas paredes de lanças conseguem parar até os ataques da cavalaria dothraki, como eles demonstraram na famosa Batalha de Qohor.[12]
  • Game-of-thrones-house-bolton-2932

    Tropas Bolton empunhando piques na Batalha dos Bastardos.

    Os piques são tradicionalmente mais longos que as lanças normais, mas têm o mesmo desempenho. As cabeças de criminosos/traidores executados geralmente são colocadas em piques (ou outras coisas pontudas) como um aviso para futuros subterfúgios.[21] Piques foram vistos sendo usados pelas tropas da Casa Bolton durante a Batalha dos Bastardos, quando eles implantaram uma formação de falange.[22]
ObaraS5E6

Obara Sand empunhava sua lança dornesa com grande habilidade.

  • Oberyn Martell[23] e sua filha mais velha, Obara Sand,[7] eram famosos por sua habilidade com lanças. O primeiro também era conhecido por revestir suas lâminas com venenos mortais, ganhando o apelido de "Víbora Vermelha".[24] 
  • Uma lança também aparece no símbolo da Casa Martell e parece ser uma arma comum entre os soldados e guardas em Dorne. 
  • Uma glaive é um tipo de lança com uma lâmina curva de um gume e é usada em um estilo de corte, ao contrário do convencional golpe de perfuração de uma lança reta de dois gumes.
    • Areo-3

      Areo Hotah empunhando seu "machado".

      Embora o diálogo em tela tenha se referido a ela como um machado, Areo Hotah empunhava uma arma semelhante a uma glaive.[7]
    • Alguns dos dothraki são vistos empunhando glaives a cavalo durante a Batalha da Estrada de Ouro.[25]
  • Os cranogmanos do Gargalo conseguem a maior parte de sua comida pescando e caçando nos pântanos, e uma de suas armas características é a "lança de sapo",[26]um instrumento de três pontas semelhante a um tridente.
  • As mulheres guerreiras de Hyrkoon são treinadas em armas desde a infância, incluindo o uso de lanças.[1]
  • Em preparação para a guerra eminente contra o exército dos mortos, Jon Snow declarou que todos os nortenhos entre as idades de dez e sessenta anos iriam treinar diariamente com lanças e piques, bem como praticar arco e flecha.[27]
  • Durante a Batalha da Estrada de Ouro, as tropas Lannister posicionaram uma parede de escudos intercalados com lanças como uma defesa contra os dothraki que atacavam. Um soldado Lannister conseguiu, inclusive, derrubar um cavaleiro com uma lança bem arremessada.[25]

Machados

  • Um machado de duas lâminas aparece no brasão da Casa Cerwyn.
  • Syrio Forel comentou que manejar uma rapieira braavosi não é como "segurar um machado de guerra" e concordou com a análise de Arya de que é muito mais como uma "agulha" (um trocadilho de Arya, fazendo referência ao nome de sua espada).
  • Machados são uma das armas favoritas dos nascidos do ferro (provavelmente porque permitem que muita potência seja focada em lutas a curta distância nos navios, onde espadas longas podem ser inviáveis).
    • Euron Greyjoy é visto empunhando um machado grande e elaborado durante seu ataque a Frota de Ferro aliada a Daenerys.
  • Tyrion Lannister empunhou um machado durante a Batalha do Água Negra.[19] Mais tarde, ele deu essa arma para seu escudeiro, Podrick Payne.
  • Alguns membros do Povo Livre e das tribos das montanhas do Vale foram vistos usando machados.
  • Sandor Clegane usava um machado como ferramenta (para cortar madeira) e como (matando renegados da Irmandade Sem Bandeiras) após ser resgatado pelo Septão Ray.
  • Os Sacerdotes Barbudos de Norvos são famosos por suas habilidades de combate e suas armas características são machados de duas lâminas e cabo longo.[1]

Martelos de guerra

HL3 Riverlands Robert at Trident

Robert Baratheon com seu martelo de guerra.

705 Gendry Warhammer

Gendry com seu martelo de guerra.

  • Após descobrir a identidade de seu pai, o filho bastardo de Robert, Gendry, parece ter ficado orgulhoso de sua linhagem. Em uma clara – embora talvez inconsciente – imitação de seu pai, Gendry fabricou um martelo de guerra para si mesmo e esculpiu a cabeça de um veado (o símbolo da Casa Baratheon) na arma. Devido a seus muitos anos como ferreiro, Gendy é altamente habilidoso com o martelo de guerra.[28]
  • Harys, um soldado da Casa Whitehill, usou brevemente um martelo de guerra enquanto montado em um cavalo durante a Batalha de Ironrath.

Armas de alcance: arcos e bestas

Os armamentos de alcance exercem um papel significativo na maioria das batalhas e muitos exércitos incluem arcos e bestas em seus arsenais. Em conflitos de larga escala, como a Batalha da Água Negra, a Batalha dos Bastardos e a Batalha da Estrada de Ouro, o arco e flecha foi empregado em massa, com centenas de arqueiros atirando em uníssono para maximizar o impacto de seus projéteis. Bestas também são usadas, mas, por serem mais caras de produzir, são um pouco menos comuns que os arcos normais.

Além de batalhas, arcos também são usados para a caça. Competições de tiro ao alvo às vezes são eventos apresentados em torneios. O brasão da Casa Tarly apresenta um caçador caminhando armado com um arco e flecha, indicando a tendência marcial e paixão da casa pela caça.

Rhoynar shoot down dragons

Arqueiros roinares derrubando um dragão.

  • Durante as Guerras Roinares – que os colocaram contra o poder crescente da Cidade Franca de Valíria – os arqueiros roinares conseguiram derrubar dois dos três dragões que os enfrentaram em uma batalha específica.[29]
Jon, Bran and Robb

Bran praticando tiro ao alvo no pátio de Winterfell.

  • Bran Stark é visto praticando o tiro com arco e flecha em Winterfell e, segundo uma afirmação satírica de seu pai Eddard, tanto Robb Stark quanto Jon Snow eram igualmente inaptos quando tinham a idade de Bran.[30]
    • Em alguns de seus sonhos com a visão verde, Bran continua praticando com o arco e flecha.
  • Arya Stark mostrou ter certa habilidade com o arco e flecha[30] (ela costumava praticar quando a área do pátio estava sem observadores, pois normalmente seria considerado impróprio para uma drama treinar o uso de armas), mas ela nunca o usou como arma primária.
Theon Greyjoy bow

Theon Greyjoy armado com um arco.

  • Theon Greyjoy também é um arqueiro habilidoso, atingindo muitos alvos durante o treino[31] e matando um selvagem que estava ameaçando Bran.[9]
Dothraki archery

Arqueiros dothraki a cavalo.

  • Os dothraki são famosos por usar o arco e flecha diretamente a cavalo, uma habilidade que eles começam a aprender aos quatro anos de idade.[31]
  • Durante a Batalha da Água Negra, Bronn disparou uma flecha em chamas que acendeu o fogovivo de Tyrion, queimando uma grande parte da frota de Stannis Baratheon.[19]
Anguy teaching Arya S3E6

Anguy dá a Arya uma aula de tiro com arco e flecha.

  • A Marca, uma região no sul de Westeros disputada há bastante tempo entre a Campina, as Terras da Tempestade e Dorne, é famosa por produzir os arqueiros mais habilidosos dos Sete Reinos.[1] Anguy, o arqueiro da Irmandade Sem Bandeiras, vem da Marca.
  • Joffrey Baratheon, apesar de não ter uma grande habilidade marcial, parece ter certa aptidão com a besta, como ele demonstrou para Margaery Tyrell.[32]
  • Bestas estavam entre as armas usadas pela Casa Frey para massacrar o exército Stark no Casamento Vermelho.[33]
Rain of castamere ygritte

Ygritte era uma arqueira altamente habilidosa.

Giant with his bow

Gigante com um arco.

  • Durante a Batalha de Castelo Negro, o Povo Livre tinha gigantes lutando ao seu lado, com um deles empunhando um arco enorme que podia disparar flechas do nível do solo até o topo da Muralha.[36]
The children Tyrion with Bow S4

Tyion ameaça seu pai com uma besta.

  • Tyrion Lannister assassinou seu pai, Tywin, com uma besta como vingança pelas várias afrontas e humilhações que sofreu durante toda a sua vida, chegando ao cúmulo quando Tywin dormiu com a amante de Tyrion, Shae.[37]
  • Quando Mance Rayder foi condenado a ser queimado vivo, Jon atirou uma flecha em seu peito, poupando-lhe a pior das dores.[38]
  • Robin Arryn é visto praticando tiro com arco e flecha sob a orientação do Lorde Yohn Royce em Pedrarruna, tendo um péssimo desempenho.[39]
  • Em preparação para a guerra eminente contra o exército dos mortos, Jon Snow declarou que todos os nortenhos entre as idades de dez e sessenta anos iriam treinar diariamente com arcos e flechas.[27] Um grupo de crianças é mostrado recebendo instruções de tiro com arco no pátio de Winterfell.
  • Os arcos são a arma característica dos Ilhéus de Verão, que usam madeira de amagodouro para produzir alguns dos melhores arcos do mundo, capazes de perfurar placas de aço a longas distâncias.[40]
  • As mulheres guerreiras de Hyrkoon são treinadas em armas desde a infância, incluindo o uso de arcos.[1]

Os melhores arcos do mundo são feitos de osso de dragão, um material forte e flexível, mas eles são extremamente raros e nunca são usados em grandes grupos. Osso de dragão não é exatamente um recurso renovável e geralmente é extraído de esqueletos milenares de dragões encontrados nas Terras das Sombras além de Asshai (entre outros lugares). Nos livros, Daenerys participa de um ritual tradicional dos dothraki durante seu casamento com Khal Drogo – a noiva recebe cerimonialmente um chicote, um arco e um arakh, os quais ela recusa e dá para seu marido. O arco oferecido era feito de osso de dragão e era mais alto do que a própria Daenerys.

Depois de osso de dragão, os arcos de amagodouro dos Ilhéus de Verão são a segunda melhor opção e podem ser produzidos em grandes números. No entanto, amagodouro é um recurso rigorosamente controlado; os Ilhéus do Céu proibiram explicitamente a sua exportação desde suas guerras com a Cidade Franca de Valíria, há milhares de anos, fazendo com que apenas seu próprio povo pudesse usar esses arcos.

Devido ao nível mais alto de habilidade técnica encontrado nas Cidades Livres, em comparação com o padrão essencialmente agrário de Westeros, as bestas são um pouco mais comuns lá. As melhores bestas encontradas em Westeros geralmente são importadas de Cidades Livres, como Myr ou Tyrosh.

Outras armas

Algumas culturas e indivíduos espalhados pelo mundo conhecido fazem uso de armas incomuns, que geralmente não são encontradas em outros lugares. Isso pode ser por várias razões, variando de preferências pessoais a um estilo de luta distinto.

Zarabatanas

  • O Homem Sem Rosto conhecido como "Jaqen H'ghar" usou um dardo envenenado, disparado de uma zarabatana, para matar Amory Lorch em Harrenhal (a pedido de Arya Stark).[41]
  • Os cranogmanos usam pequenos dardos envenenados, disparados de bambus ou tubos ocos, como parte de suas táticas de guerrilha nos pântanos do Gargalo.[26]

Bastões

  • Durante seu treinamento com os Homens Sem Rosto, Arya praticou luta com a Garota Abandonada, com ambas as combatentes usando bastões sobre uma plataforma elevada. Embora normalmente não sejam letais, esses cabos de madeira podem causar ferimentos graves, além de hematomas e sangramentos.
  • Para a batalha contra o exército dos mortos, Arya pediu a Gendry que lhe fabricasse uma arma inusitada, que foi revelada ser um bastão com lâminas de vidro de dragão.

Fundas

  • As mulheres guerreiras de Hyrkoon são treinadas em armas desde a infância, incluindo o uso de fundas.[1]
  • A cidade de Tolos, uma colônia sobrevivente da Cidade Franca de Valíria, é famosa por produzir as melhores fundas do mundo conhecido.

Chicotes

Rakharo and Viserys Targaryen 1x03

Viserys é castigado por seu desrespeito a Daenerys.

  • Os dothraki foram vistos usando chicotes como armas não letais, seja para controlar seus cavalos ou para reprimir os cativos.[6] Nos livros, os casamentos dothraki possuem um ritual no qual a noiva recebe cerimonialmente um chicote, um arco e um arakh, recusa os presentes e pede para que eles sejam entregues ao seu marido.
Whip

Chicote simbólico do mestre dos Imaculados.

  • Embora fosse mais um símbolo do que uma arma, Daenerys recebeu um chicote curto de várias tiras depois de comprar oito mil Imaculados. Após os soldados concordarem em lutar por ela como homens livres, ela o descartou.
Nymeria whip

Chicote de Nymeria Sand.

  • Nymeria Sand, a segunda filha de Oberyn Martell, usava um chicote como arma primária.[7] Seu controle era tamanho que ela conseguia prender facilmente seus oponentes em combate, além de realizar tarefas mais "utilitárias", como tirar um balde da cabeça de um capitão de navio enterrado na areia.
  • Os antigos valirianos usavam chicotes, assim como chifres e feitiços, para exercer controle sobre seus dragões, uma prática que aparentemente foi mantida pelos governantes Targaryen de Westeros: Rhaenys Targaryen usava um chicote para ajudar a controlar seu dragão Meleys.[42]

Lâminas de gelo dos Caminhantes Brancos

White Walker 2x10

Um Caminhante Branco com uma espada de gelo.

Os Caminhantes Brancos parecem manejar uma variedade de armas com lâminas feitas de gelo. Foi demonstrado que essas lâminas destroem armas comuns após o contato, mas Jon Snow, com sua espada de aço valiriano Garralonga, conseguiu repelir com eficácia lâminas de gelo e matar os Caminhantes que as empunhavam.

  • A maioria dessas armas se assemelha grosseiramente a espadas, lanças e machados, e foram usadas, em grande parte, da mesma forma que as armas brancas de combate.
  • O único exemplo de uma arma de distância vista até agora é a lança longa e fina usada pelo Rei da Noite para derrubar o dragão Viserion.[43]

Armas de cerco

As batalhas nem sempre consistem em grandes exércitos se encontrando na paisagem e colidindo com uma grande desordem de soldados, animais e armas. Muitos confrontos militares envolvem sitiar um castelo ou outro reduto fortificado na tentativa de ganhar o controle sobre a posição estratégica ou riqueza que o reduto em questão comanda. Dependendo da fortaleza, esses cercos podem envolver tropas terrestres, marinhas ou uma combinação de ambos.

Os exércitos de Westeros e Essos praticam a guerra de cercos, mas a energia e logística envolvidas na manutenção adequada de um cerco requerem recursos muito específicos, dos quais nem todos os exércitos dispõem. Os nascidos do ferro e os dothraki, por exemplo, não são muito hábeis com a guerra de cercos por vários fatores: os nascidos do ferro não conseguem colocar armas de cerco na maioria de seus navios – apenas os maiores têm essa capacidade –, nem têm a força humana necessária para um cerco prolongado. Portanto, eles geralmente preferem ataques relâmpagos pelos mares que cercam os principais castelos. Os dothraki usam armas de cerco com uma frequência ainda menor, se é que as utilizam, devido à sua falta de conhecimento técnico, então também tendem a atacar as cidades grandes ou fortificações diretamente. Porém, ao contrário dos nascidos do ferro, os dothraki possuem um poder humano considerável a sua disposição, de modo que são capazes de perturbar os campos ao redor das cidades ou castelos até deixarem os defensores famintos.

Catapultas

As catapultas são usadas por muitos exércitos em Westeros e alguns materiais combustíveis, como fogovivo e piche, são, por vezes, carregados como tiros de catapulta. Fogovivo é uma substância supostamente mágica, criada originalmente pela famosa Guilda dos Alquimistas (comparada ao fogo grego da vida real, que foi usado pelo Império Bizantino durante muitos séculos) e popular entre os governantes Targaryen após a extinção de seus dragões. Embora nunca tenha desaparecido por completo, o fogovivo caiu em desuso nas últimas gerações devido a vários fatores: a substância é tão combustível que chega a ser perigosa de usar e é um risco significativo até em seu armazenamento. A Guilda dos Alquimistas também perdeu poder político e, como a fórmula para criar fogovivo não é amplamente conhecida fora da Guilda (se é que é conhecida), o conhecimento necessário para criar e guardar adequadamente a substância não é mais acessível com frequência pela corte.

Balistas

Scorpion-the-spoils-of-war

Um escorpião utilizado durante a Batalha da Estrada de Ouro.

As balistas e seus primos menores, os escorpiões, também são usados em todo o mundo. Ambos são basicamente versões enormes de bestas, com a principal diferença sendo que as balistas costumam ser grandes demais para serem movidas sem que sejam desmontadas e depois remontadas. Elas geralmente são construídas sob medida para um local específico, enquanto os escorpiões, por serem menores, podem ser transportados e instalados por carroças. As balistas são usadas como armas de defesa pela Patrulha da Noite no topo da Muralha e também podem ser construídas em navios para aumentar a mobilidade.

Balistas e escorpiões tiveram sucessos muito ocasionais contra dragões: uma vez que suas escamas são mais resistentes que o ferro e praticamente impenetráveis, a única maneira real de matar um dragão adulto com armas convencionais (e não com outro dragão) é atirar em seu olho e perfurar seu cérebro. O problema é que dragões são alvos alados e velozes com suas próprias defesas letais, tornando essa uma prática extremamente difícil de conseguir com êxito. Enquanto Rhaenys tentava dominar Dorne, a única região que não foi pacificada no início da Conquista Targaryen, seu dragão Meraxes foi atingido por um tiro de escorpião muito sortudo que o perfurou pelo olho, matando-o instantaneamente em pleno voo. No entanto, tentativas subsequentes de reproduzir essa façanha falharam, pois os montadores de dragões ficaram mais cautelosos com escorpiões. Qyburn tentou se defender dos dragões de Daenerys Targaryen de maneira similar, criando um novo escorpião sob medida. Bronn o utilizou contra Drogon na Batalha da Estrada de Ouro, mas não acertou os olhos do dragão e só conseguiu ferir Drogon levemente no ombro, antes de o dragão enfurecido destruir o escorpião.

Cercos conhecidos

Century of Blood Qohor

Fim da Batalha de Qohor.

  • Durante o Século de Sangue, a horda dothraki de Khal Temmo sitiou a Cidade Livre de Qohor, mas acabou sendo repelida por um exército de infantaria de três mil Imaculados (até hoje, os Imaculados são uns dos únicos soldados não montados que os dothraki respeitam).
Siege of storms end

A Casa Tyrell sitiou Ponta Tempestade durante a Rebelião de Robert.

Siege of Pyke

O castelo de Pyke foi atacado após um cerco.

  • Cerco de Pyke: durante a Rebelião Greyjoy, as tropas de Robert Baratheon sitiaram a fortaleza dos Greyjoy, Pyke, que caiu com bastante facilidade, forçando Balon Greyjoy a dobrar o joelho e entregar seu único filho sobrevivente, Theon, como garantia de seu bom comportamento.
  • Batalha da Água Negra: Stannis Baratheon sitiou Porto Real na tentativa de conquistar o Trono de Ferro, mas acabou frustrado pela combinação da liderança estratégica de Tyrion Lannister e da chegada de última hora do exército de Tywin Lannister (complementado com as tropas Tyrell, que se uniram aos Lannister após a morte de Renly Baratheon).
Battle of Castle Black begins

Os selvagens atacam Castelo Negro após sitiá-lo.

  • Batalha de Castelo Negro: o exército de cem mil selvagens de Mance Raider, acompanhado por gigantes e mamutes, sitiou Castelo Negro pelos lados norte e sul, mas não conseguiu romper a Muralha ou dominar a fortaleza.
  • Embora a Casa Frey tenha ganho o domínio de Correrrio após o Casamento Vermelho, Brynden Tully escapou do massacre e conseguiu retomar a fortaleza. Os Frey sitiaram o castelo, mas não tinham poder humano ou experiência, e só conseguiram conquistá-lo com uma ajuda significativa do exército Lannister.

Armaduras

O uso de armaduras varia bastante entre as diferentes culturas e, às vezes, mesmo dentro das próprias culturas. O design de qualquer tipo de armadura é influenciado por muitos fatores, dentre os quais estão recursos e materiais disponíveis, tradições estabelecidas, o nível de proteção desejado e os estilos de luta dos soldados que está utilizando a armadura.

Westeros

  • Norte: uma vez que o Norte não é particularmente rico, armaduras de placa de aço são muito mais raras lá do que no sul de Westeros. Com a exceção de elmos e de peças ocasionais de aço ou ferro, os soldados nortenhos normalmente usam cota de malha e armaduras feitas de couro cozido.
Tywinfullarmor

Tywin trajando uma armadura completa após a Batalha do Ramo Verde.

  • Terras Ocidentais: sendo o mais rico dos Sete Reinos, as Terras Ocidentais têm recursos para equipar suas tropas com armaduras de prata completas, geralmente decoradas com cores ricas de vermelho, dourado e preto. As armaduras usadas por oficiais de alta patente, como Jaime Lannister, costumam ser decoradas com gravuras douradas elaboradas.
Loras ValarMorghulis Armor

Loras Tyrell e sua armadura ornamentada da Campina.

  • Campina: perdendo apenas para as Terras Ocidentais em riqueza, os soldados da Campina também se equipam com armaduras completas de prata. A ornamentação das armaduras da Campina varia de casa para casa: os soldados Tyrell de alta patente, como Mace Tyrell e seu filho Loras, decoram suas armaduras com rendilhados e gravuras elaboradas em ouro. Casas abertamente marciais, como a Casa Tarly (ou seja, Randyll Tarly e seu filho Dickon), exibiam muito pouca decoração em suas armaduras.
607 Blackfish and Tullys

Brynden Tully e soldados no Cerco de Correrrio.

  • Terras Fluviais: as armaduras usadas pela Casa Tully incluíam uma combinação de camisas de cotas de malha e peitorais. Os peitorais eram feitos ou cobertos por centenas de pedaços de couro feitos para parecer escamas de peixes, lembrando a truta que serve como símbolo da Casa Tully.
Stannis-Baratheon-game-of-thrones-s5

Stannis Baratheon e seus homens.

  • Terras da Tempestade: sendo mais ricas do que o Norte, mas sem os recursos materiais das Terras Ocidentais ou da Campina, as Terras da Tempestade possuem armaduras bastante utilitárias, sem muita ornamentação. Seus habitantes são conhecidos por serem guerreiros resistentes – como os Baratheon –, então suas armaduras práticas refletem sua mentalidade.
501 Vale guard

Um cavaleiro do Vale.

  • Vale: os cavaleiros do Vale são ricos o suficiente para dispor de armaduras de prata, mas geralmente não completas; a maioria veste peitorais de aço e proteção para braços e/ou pernas, além de capas esvoaçantes condecorando o selo da Casa Arryn. As armaduras do Vale também carecem da ornamentação elaborada típica das Terras Ocidentais ou da Campina.
  • Ilhas de Ferro: os nascidos do ferro, culturalmente distintos, não têm medo de se afogar no mar e costumam usar armaduras mais pesadas do que os marinheiros do continente. Os guerreiros da Casa Greyjoy usam peitorais cobertos de couro com o desenho de uma lula-gigante (o selo da casa).
Oberyn-s-Armor-oberyn-martell

Armadura e lança de Oberyn Martell.

  • Dorne: o clima quente de Dorne descarta o uso de armaduras pesadas. Os famosos cavalos dos dorneses (os "corcéis de areia") são menores e têm as patas mais leves do que os cavalos do resto de Westeros, não podendo transportar cargas tão pesadas quanto seus primos do norte. Sendo assim, a armadura dos dorneses é normalmente feita de uma combinação de couro e metal leve, o que também se adapta às suas táticas preferidas de guerrilha.
  • Povo Livre: devido à falta de tecnologia para a metalurgia sofisticada, a maioria do Povo Livre não consegue produzir armaduras. Assim como nas armas de metal, a grande exceção são os Thenns, alguns dos quais já foram vistos usando camisas com escamas de bronze.

Ao contrário da maioria dos soldados recrutados por região, a Guarda Real e os Mantos Dourados estão concentrados na capital, Porto Real, e raramente viajam além de seus muros (embora também não sejam tecnicamente uma força militar "fixa"). Assim, os dois grupos tendem a usar armaduras quase padronizadas, embora o design desses trajes tenha mudado sutilmente com o tempo.

  • Guarda Real: consistindo nos cavaleiros mais prestigiados dos Sete Reinos, as armaduras da Guarda Real são de qualidade extremamente alta. Todos os membros geralmente usam trajes dourados com gravuras elaboradas, além de um manto branco, que representa sua lealdade apenas ao rei.
    • Guarda Real de Cersei Lannister: quando Cersei se tornou Rainha de Westeros, a armadura da Guarda Real mudou drasticamente: o manto foi descartado e a armadura passou a ser toda preta, com alguns detalhes em prata. Os elmos também ocultam todo o rosto, exceto os olhos.

Essos

  • Roinares: embora normalmente não fossem um povo guerreiro, os roinares eram lutadores formidáveis quando necessário. Tanto os homens quanto as mulheres trajavam armaduras de escama de prata, usavam elmos em forma de cabeças de peixe e carregavam escudos no formato de casca de tartaruga[29] (os escudos talvez fossem uma homenagem às tartarugas gigantes do rio que os roinares consideravam sagradas).
  • Dothraki: como lutam a cavalo a maior parte do tempo, dependendo bastante de velocidade e mobilidade, os dothraki tradicionalmente usam pouquíssimas armaduras, se é que as usam. Qualquer coisa pesada poderia sobrecarregar seus cavalos sem necessidade.
  • Guarda Cívica: encarregados de proteger a grande cidade mercante de Qarth, esses soldados usam peitorais de bronze como suas únicas armaduras, provavelmente devido ao clima quente da cidade.[18]
  • Imaculados: essas tropas de infantaria pesada são equipadas em armaduras idênticas compostas de couro e metal. As armaduras são de cor escura e contêm muito pouco embelezamento (talvez por conta das origens dos Imaculados como soldados escravos), mas podem ser adaptadas a diferentes climas – enquanto estavam em Essos, os Imaculados não usavam proteção para os braços devido ao clima ameno, mas, quando chegaram em Westeros, passaram a utilizá-la.

Venenos

Ver artigo principal: Veneno

Muitos tipos de venenos são encontrados em todo o mundo conhecido, mas geralmente não são vistos no campo de batalha: ao contrário das ferramentas de lâminas e máquinas de cerco, veneno é uma arma muito mais furtiva, usada para matar secretamente um alvo com poucas chances de descoberta. Veneno costuma ser escarnecido como uma "arma de mulher", devido à crença de que um homem deve ter a coragem de atacar seus inimigos diretamente, mas essa visão não é de modo algum universal.

Venenos conhecidos

Casos conhecidos de envenenamento

  • Lysa Arryn envenenou seu marido Jon usando as Lágrimas de Lys, uma instrução de Petyr Baelish que acabou culminando na Guerra dos Cinco Reis.
  • Em Pedra do Dragão, o Meistre Cressen tentou envenenar Melisandre e até tomou um pouco do veneno para desviar as suspeitas. Graças à sua mágica, Melisandre foi capaz de sobreviver facilmente ao envenenamento, enquanto Cressen não.[44]
  • Os cranogmanos do Gargalo são conhecidos por usar venenos feitos de elementos locais em suas flechas e dardos de sopro.
  • No Casamento Roxo, Olenna Tyrell envenenou o vinho de Joffrey com o Estrangulador como parte de um plano com Petyr Baelish para enfraquecer a influência dos Lannister sobre o Trono de Ferro,[45] e também para poupar a neta de Olenna, Margaery, de se casar com alguém tão instável quanto Joffrey.[46]
  • Durante o julgamento por combate de Tyrion Lannister, Oberyn Martell (campeão de Tyrion) cobriu sua lança com veneno, que foi mais tarde identificado pelo Grande Meistre Pycelle como veneno de manticora. Isso causou danos permanentes a Sor Gregor Clegane (seu oponente) após o duelo e forçou Qyburn a realizar uma cirurgia experimental para salvar a vida de Clegane.[37]
  • Tyene Sand cobria suas adagas com o Longo Adeus, um veneno de ação lenta, mas extremamente mortal, que quase tirou a vida de Bronn depois que os dois se enfrentaram. Mais tarde, ela forneceu um antídoto para ele, mas somente quando Bronn chegou à beira da morte e depois que ele elogiou sua beleza.[16]
    • Ellaria Sand depois usou o Longo Adeus em Myrcella Baratheon como vingança pelos Lannister (família de Myrcella) terem matado seu amante, Oberyn Martell.[47]
    • Após Tyene e Ellaria terem sido capturadas por Euron Greyjoy – trabalhando em prol de Cersei Lannister –, Cersei usou o mesmo veneno em Tyene e forçou Ellaria a vê-la morrer.[48]
  • Após executar Walder Frey e vestir seu rosto, Arya Stark convocou vários parentes de Walder para um banquete e matou-os todos com vinho envenenado, um ato de vingança pela maneira como os Frey massacraram sua família e o exército dos Stark.[27]
  • Depois de derrotar as tropas da Casa Tyrell e capturar Jardim de Cima, Jaime Lannister ofereceu veneno a Olenna Tyrell, em vez de fazê-la sofrer uma execução dolorosa e prolongada. Olenna consumiu o veneno de bom grado e, depois, revelou a Jaime que foi ela quem matou Joffrey.

Tentativas de envenenamento

  • Um vendedor de vinho em Vaes Dothrak tentou envenenar Daenerys Targaryen, mas não teve êxito graças à desconfiança de Jorah Mormont. O vendedor fugiu para salvar sua vida, mas foi facilmente capturado.
  • Durante a Batalha da Água Negra, Cersei tinha essência de beladona em sua mão para dar a seu filho Tommen uma morte indolor, caso a Fortaleza Vermelha fosse invadida pelo exército de Stannis Baratheon. Por fim, ela não precisou usá-la, pois o exército Lannister-Tyrell derrotou as tropas de Stannis.[19]
  • Como sua primeira missão pelos Homens Sem Rosto, Arya foi instruída a envenenar um corretor de seguros conhecido como o "homem magro". Ela se distraiu dessa tarefa com a chegada de Sor Meryn Trant (um dos nomes na lista de mortes de Arya) a Braavos e, por fim, não realiza a tarefa.
    • Depois, Arya é incumbida de envenenar a atriz Senhora Crane, mas novamente renega seu dever, pois admira a mulher, e descobre que a pessoa que encomendou o envenenamento era apenas uma atriz rival que tinha inveja do talento de Crane.

Exércitos

Exércitos nos Sete Reinos

Os Sete Reinos de Westeros não possuem uma grande força militar permanente, como algumas das Cidades Livres possuem. Em vez disso, cada senhor mantém de forma contínua apenas um pequeno séquito de cavaleiros e guerreiros pessoais, bem treinados e equipados. Em tempos de guerra, eles atuam seguindo o princípio de recrutamento feudal, com cada senhor reunindo seus próprios exércitos com os plebeus que vivem em suas terras. Os soldados se juntam com as armas e armaduras que possuem de acordo com sua riqueza. Seus senhores geralmente podem fornecer equipamentos razoavelmente padronizados e de boa qualidade – embora, às vezes, sejam vistos camponeses empunhando ferramentas agrícolas, tacos, ripas ou tábuas com pregos. Esses soldados normalmente são apoiados por arqueiros ou besteiros.

Em tempos de guerra, os cavaleiros montados formam a espinha dorsal dos principais exércitos na maior parte de Westeros. Um cavaleiro é um soldado profissional de elite, com extenso treinamento de combate e equipado com as melhores armas e armaduras pesadas. Um único cavaleiro, mesmo desmontado, vale uma dúzia de soldados camponeses recrutados através do alistamento feudal. Cavaleiros são muito úteis para atravessar e atropelar a infantaria inimiga, além de serem a melhor arma contra a própria cavalaria inimiga.

Cada senhor reúne uma força militar com seus vassalos em favor de seu próprio senhor superior. Esses vassalos marcham sob os estandartes de guerra de seu soberano, somando suas tropas com a dele. A título de exemplo, a Casa Stark obtém soldados das terras imediatamente próximas a Winterfell e de todas as outras terras e fortalezas que ela controlam diretamente, mas também inclui cavaleiros e soldados das terras da Casa Umber, que, por sua vez, possui seus próprios vassalos menores. Essa hierarquia se estende até o rei no Trono de Ferro. As regiões de Westeros variam em população e riqueza de modo considerável, o que afeta dramaticamente o número e a qualidade dos soldados que podem ser convocados.

O rei no Trono de Ferro nomeia quatro "protetores", que devem comandar e coordenar os exércitos regionais em tempos de crise, quando vassalos e soldados são convocados. Espera-se que os senhores regionais daquele quarto do reino deixem seus exércitos sob o comando do protetor em questão. O Protetor do Norte protege o reino contra os ataques dos selvagens além da Muralha, o Protetor do Leste protege contra ataques do outro lado do Mar Estreito e assim por diante.

Algumas regiões, sobretudo as Ilhas de Ferro e Dorne, também se especializam em formas de combate diferentes do padrão, que deriva da tradição de cavaleiros dos ândalos. O Norte basicamente luta usando o mesmo estilo e táticas que o sul de Westeros, mas, como a Fé dos Sete é pouco praticada lá, a região não possui cavaleiros. Em vez disso, tem uma cavalaria pesada nortenha, que funciona da mesma forma que os cavaleiros no campo de batalha, sendo considerados cavaleiros em tudo, exceto no nome.

As Ilhas de Ferro, sendo um arquipélago, baseiam seu militarismo fortemente em forças navais, não fazendo um uso significativo da cavalaria em combate. Seu estilo de luta é baseado em invasões e emboscadas, realizando assaltos rápidos e recuando de volta para o mar antes que exércitos maiores possam aparecer. Os nascidos do ferro geralmente preferem atacar alvos costeiros ou aqueles em rios navegáveis. Longe da água, eles não são particularmente móveis sem cavalaria e costumam levar equipamentos de cerco. Isso os torna incapazes de atingir alvos fortemente defendidos (Balon Greyjoy descartou de imediato a possibilidade de atacar Winterfell, embora Theon tenha conseguido tomar o castelo de surpresa mais tarde com duas dúzias de homens usando equipamentos de escalada por já conhecerem o desenho do castelo).

Dorne é quente demais para manter grandes exércitos de homens com armaduras pesadas. Em vez disso, os dorneses preferem grupos menores de combatentes com pouca armadura, os quais correspondem com uma maior agilidade. Eles contam com ataques rápidos e perseguições aos invasores, usando arqueiros montados e lanceiros a pé. Ainda assim, eles já chegaram a marchar em guerras importantes e batalhas convencionais, como o grande contingente de dorneses na Batalha do Tridente.

A Patrulha da Cidade de Porto Real, conhecida como os "Mantos Dourados", poderia ser considerada um tipo de "exército permanente" – mas eles são destinados a ser uma força policial, não soldados. Eles normalmente não entram em combate e não são treinados para fazê-lo. Isso foi visto durante a Batalha da Água Negra, quando as tropas de Stannis Baratheon estavam atacando a cidade: quando a batalha começou a virar contra eles e Joffrey recuou covardemente, muitos dos Mantos Dourados também entraram em pânico e fugiram dos muros.

O número geral de homens que podem ser colocados em campo por cada um dos Sete Reinos é incerto, mas vários pontos de informação fornecem um senso geral do tamanho de seus exércitos:

  • Cada um dos reinos ândalos do sul pode, geralmente, reunir um exército de cerca de 40 mil homens (variando entre 40 mil a 50 mil, dependendo das condições vigentes).
  • A Campina é o mais populoso dos Sete Reinos e pode convocar quase o dobro de soldados que qualquer outro reino, entre 80 mil e 100 mil (embora isso seja equilibrado, porque a Campina também tem o dobro de vizinhos hostis em relação aos outros reinos).
    • Renly Baratheon disse (em "What is Dead May Never Die"): "Tenho 100 mil homens sob meu comando, todo o poder das Terras da Tempestade e da Campina". Uma vez que a Campina tem o dobro de soldados que a média aproximada dos outros reinos sulistas, como as Terras da Tempestade, isso significa que, ao dividir 100 mil por três, tem-se o tamanho médio estimado para um reino do sul (como as Terras da Tempestade ou o Vale): um pouco mais de 30 mil.
    • O tamanho específico dos exércitos que um reino consegue reunir variará consideravelmente com base nos fatores vigentes: um reino que esteve no lado derrotado de uma guerra alguns anos antes não pode substituir rapidamente os soldados perdidos, e a população geral tende a ser menor após um longo inverno. Portanto, o número geral de que "40 mil" é a média bruta de um reino sulista, é especificamente após um verão longo e pacífico que durou dez anos.
  • O Norte tem um pouco menos que o tamanho "médio" para o sul, embora a diferença seja pequena. O Norte tem uma densidade populacional muito baixa, mas não uma população pequena em geral – a região pode até ser pouco povoada, mas sua área total é quase do tamanho do resto dos Sete Reinos juntos.
    • Quando Robb Stark convocou seus vassalos, ele conseguiu rapidamente reunir cerca de 20 mil homens para marchar ao sul – sendo sugerido que mais soldados teriam chegado caso ele tivesse esperado mais tempo. Os exércitos reunidos no Norte tipicamente têm entre 40 mil e 45 mil homens, assim como o Vale, as Terras Fluviais e Dorne.
  • As Ilhas de Ferro têm pouca área territorial e uma população muito baixa (apenas Dorne tem uma população total menor). Eles não possuem cavalaria e não fazem uso extenso de ferramentas de cerco, que não podem ser carregadas por navio. Por outro lado, os nascidos do ferro tem uma marinha desproporcionalmente forte, que costuma dominar as costas ocidentais de Westeros no Mar do Poente. Toda a sua estratégia militar depende de movimentos rápidos pelo mar, antes que o inimigo possa reagir.

Somando esses números, pode-se estimar razoavelmente que, no início da Guerra dos Cinco Reis, o número total de soldados que poderiam ser convocados por exércitos (incluindo cavaleiros montados e camponeses com armas remendadas) pode ter sido aproximadamente cerca 350 mil a 400 mil. Há nove regiões nos Sete Reinos (as sete mais as Terras Fluviais e as Terras da Coroa): excluindo as Ilhas de Ferro, contando a Campina duas vezes e presumindo que a força total do Norte esteja perto da média, tem-se 9 × 40.000 = 360 mil. As Ilhas de Ferro têm menos que o normal – se tivessem exércitos dentro do tamanho médio, teria-se 400 mil soldados (360.000 + 40.000), mas eles possuem muito menos que isso.

Esses números não passam de estimativas aproximadas. A questão principal é que, nos Sete Reinos, os "exércitos" costumam chegar a poucos milhares, com "grandes exércitos" chegando às dezenas de milhares. Robb Stark não comandou um exército de apenas algumas centenas de homens, tampouco Tywin Lannister conseguiria reunir com facilidade um exército de meio milhão apenas com os soldados das Terras Ocidentais. Uma Grande Casa que governa um reino inteiro pode formar um exército de aproximadamente 40 mil a 50 mil, formado pela força das principais casas nobres que servem como seus vassalos e pelas forças das terras de seu castelo. Cada um dos Sete Reinos tem cerca de doze ou mais casas nobres principais servindo à Grande Casa que governa a região. Por sua vez, cada uma dessas casas nobres principais pode formar um exército com os soldados de suas próprias terras beirando aos primeiros milhares, que, da mesma forma, são uma soma das forças das casas menores que servem como seus vassalos e das forças de seu próprio castelo. Uma dessas casas nobres menores – como a Casa Forrester, vassala dos Glover, que por sua vez são vassalos dos Stark – pode geralmente formar de suas terras um exército de várias centenas de soldados. Novamente, essas são apenas generalizações amplas e variam bastante, dependendo da população e da riqueza de uma certa área.

Exércitos além da Muralha

A Patrulha da Noite, que protege a Muralha na fronteira norte dos Sete Reinos, é uma força militar permanente cujos membros fazem votos de não possuir terras ou títulos, não gerar filhos e defender a Muralha de qualquer ameaça que estiver além dela. No entanto, eles se comprometem a ter uma estrita neutralidade política e não participam das guerras frequentes nos Sete Reinos. As forças da Patrulha enviadas para além da Muralha são pequenos grupos de reconhecimento, não exércitos em marcha. Com seus números diminuindo ao longo dos séculos, a Patrulha se concentrou em defender a própria Muralha. A Muralha é a maior estrutura defensiva já construída, então mesmo as poucas centenas de homens que a Patrulha de Noite ainda possui podem usá-la para deter milhares de invasores. A Patrulha da Noite tem alguns cavalos para patrulhas, mas nenhuma cavalaria própria de verdade.

Nos livros, a Patrulha da Noite está em um lento declínio desde a Longa Noite, há oito mil anos, mas essa queda se acentuou particularmente depois que a Conquista Targaryen unificou os Sete Reinos há 300 anos. A Patrulha da Noite costumava receber um fluxo constante de recrutas vindos dos lados perdedores das constantes guerras entre os Sete Reinos. Quando os Targaryen unificaram o território, eles puseram fim a essas constantes guerras de fronteira – o que, ironicamente, fez com que o número de novos recrutas para a Patrulha se reduzisse. Seus números diminuíram severamente e os únicos recrutas que eles costumavam encontrar eram prisioneiros condenados, recebendo ocasionalmente um aumento nos números pelos lados derrotados de rebeliões, que agora eram muito mais raras (por exemplo, os partidários Targaryen da Rebelião de Robert, como Alliser Throne). Apenas muito raramente recebiam voluntários de casas nobres, geralmente filhos mais novos ou bastardos sem perspectivas de herança (como Jon Snow ou Waymar Royce). No começo dos livros, a Patrulha da Noite tem apenas mil homens restantes (e após as perdas que sofreu durante a narrativa, tem perto de 600 após a Batalha de Castelo Negro). Na época da Conquista Targaryen, antes de seu declínio drástico começar, a Patrulha da Noite tinha cerca de 10 mil membros.

Exércitos grandes raramente são encontrados entre os selvagens que vivem Para Lá da Muralha, apenas tribos localizadas. Eles não têm a capacidade de forjar suas próprias armas de metal; portanto, além das armas de ferro que conseguem catar ou comprar de contrabandistas, os selvagens dependem principalmente de armas feitas de madeiras, pedras e ossos. Por vezes, porém, os clãs selvagens são todos unidos por um chefe soberano conhecido como Rei-Para-Lá-da-Muralha, como Mance Rayder. Um Rei-Para-Lá-Da-Muralha pode convencer os selvagens a marchar juntos em algo que realmente se assemelha a um exército, mas eles não utilizam formações complexas e estão mais para uma horda indisciplinada.

A série de TV indicou o tamanho da horda de Mance Rayder que atacou Castelo Negro como em cerca de 100 mil soldados. Nos livros, o número estimado é de cerca de 30 mil. A série de TV pode ter escolhido contar toda a horda selvagem, incluindo mulheres e crianças. Mesmo na versão televisiva, Jon Snow viu, na 3ª temporada, que o acampamento principal dos selvagens não era simplesmente uma base militar, mas grupos familiares e populações de vilas inteiras. Toda a população selvagem sobrevivente tentava migrar para o sul da Muralha, fazendo com que o imenso número de 100 mil pudesse ter sido alcançado se contássemos os meninos velhos o suficientes para segurar uma lança. Condizendo com essa teoria, na 6ª temporada, Tormund explicou que, embora 5 mil selvagens tivessem concordado em ir para o sul da Muralha com Jon Snow, apenas cerca de 2 mil destes eram guerreiros – com o resto sendo crianças, mães, idosos etc. Se a proporção fosse a mesma, isso colocaria o número de "guerreiros" no grupo de 100 mil soldados de Mance na faixa de 30 mil a 40 mil. De qualquer forma, a pequena guarnição restante em Castelo Negro estava drasticamente em menor número.

Exércitos em Essos

As Cidades Livres de Essos são mais urbanizadas e mercantis do que Westeros, por isso costumam recorrer a contratar companhias de mercenários profissionais para lutar suas guerras por elas.

As cidades da Baía dos Escravos funcionam da mesma forma, embora também treinem grandes números de soldados escravos, sobretudo os famosos eunucos-guerreiros conhecidos como Imaculados, que são treinados para obedecer rigidamente a todas as ordens sem questionar.

Os dothraki, nômades montados, recorrem a ataques rápidos com uma cavalaria leve e desprotegida, dispensando o uso de armaduras para aumentar sua velocidade e manobrabilidade. Seus cavaleiros também atuam como arqueiros montados. Uma tribo dothraki grande é conhecida como um khalasar, cada um dos quais é comandado por um khal. Os khalasares são subdivididos em khas, com cada um sendo comandado por um capitão conhecido como ko (plural: kos). Os dothraki demonstraram historicamente grande habilidade tática ao dividir seus kos e direcioná-los a causar distrações e atacar forças inimigas em movimentos de pinças.

O khalasar de Khal Drogo, considerado grande, contava com cerca de 40 mil cavaleiros.[30]

Marinhas

Ver artigo principal: Navios

Os Sete Reinos também empregam um grande número de forças navais. As três principais frotas são:

A maioria dos senhores das regiões costeiras possuem de um a três galeões grandes para afastar piratas e contrabandistas. Algumas das Casas mais poderosas mantêm suas próprias frotas pequenas. Os Hightower e os Tyrell têm o cuidado de manter suas próprias frotas defensivas para se proteger da ameaça dos nascidos do ferro nas proximidades – as Ilhas Escudo, na foz do rio Vago, são guarnecidas pelos Tyrell como proteção contra os nascidos de ferro que navegam para atacar Jardim de Cima. Da mesma forma, os Lannister mantêm uma grande frota de defesa nas Terras Ocidentais, mas ela raramente deixa Lannisporto, por estar mais perto das Ilhas de Ferro e ser mais suscetível a um ataque rápido.

O Norte e Dorne quase não têm força no mar. Dorne possui uma costa bastante acidentada, com poucos portos naturais, e não há madeira suficiente em sua região desértica para construir uma frota. Em contraste, o Norte possui imensas faixas litorâneas nos lados leste e oeste do continente. Essas costas são extensas demais para uma frota patrulhar efetivamente e o Norte como um todo não é rico o bastante para bancar uma; portanto, seus senhores geralmente precisam reagir aos invasores do oceano repelindo-os em terra. Contudo, o Norte abriga a pequena cidade portuária de Porto Branco, governada pela Casa Manderly, e a força marítima existente do Norte pode ser encontrada lá.

Todas as Cidades Livres localizadas nos litorais mantêm frotas muito grandes, tanto de navios de guerra quanto de marinha mercante. Norvos e Qohor se localizam dentro do continente, motivo pelo qual não possuem embarcações oceânicas, ainda que tenham uma força militar na rede do rio Roine. Da mesma forma, a Baía dos Escravos e Qarth mantêm uma grande quantidade de navios para comércio e guerra.

Os dothrakis não possuem nenhuma força marítima – mesmo que o lado norte do Mar Dothraki tenha um litoral muito extenso, sua base de força sempre esteve nas grandes planícies do interior. Os dothrakis infamemente temem qualquer água que um cavalo não possa beber (ou seja, água salgada) e são extremamente relutantes em até mesmo viajar de barco. Os dothrakis usam navios em ocasiões tão raras que seu idioma sequer tem uma palavra própria para "navio": o termo que eles utilizam quando raramente precisam descrever uma embarcação é, literalmente, "cavalos de madeira", pois, assim como um cavalo, são um meio de transporte.

Os ibeneses têm uma forte presença no mar – ainda que a maior parte de sua frota seja composta por baleeiros não militares, esses navios são tão fortes que podem resistir a ataques de criaturas marinhas imensas, tornando-os difíceis de serem atacados ou se chocarem. Mesmo que os ibeneses frequentemente enfrentem os dothrakis ao sul, os dothrakis não têm navios, e tendo tão poucos inimigos próximos, os navios ibeneses não precisam ser ofensivamente fortes, apenas robustos e móveis.

As Ilhas de Verão, localizadas diretamente ao sul do Mar Estreito entre Westeros e Essos, também possuem uma grande frota mercante, cujos navios são mais do que capazes de se defender de piratas. Cada navio é protegido por uma companhia de arqueiros armados com poderosos arcos de amagodouro. Os navios cisne não são verdadeiras embarcações de guerra e são destinados a comércio e exploração, mas são tão bem construídos que são facilmente mais rápidos e fortes do que qualquer outro navio na sua classe de dimensão. Portanto, seria injusto dizer que os navios cisne não são tão fortes quanto galés de guerra completas usadas em Westeros ou nas Cidades Livres: eles são caravelas leves de tão alta qualidade que podem dar trabalho contra navios de classes maiores se os ventos estiverem fortes, permitindo que eles despistem oponentes.

Ver também

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 "O Mundo de Gelo e Fogo"
  2. "O Povo Livre (História e Tradição)"
  3. 3,0 3,1 3,2 3,3 3,4 "Aço Valiriano (História e Tradição)"
  4. "Hardhome"
  5. "Casa Dayne (História e Tradição)"
  6. 6,0 6,1 "Lord Snow"
  7. 7,0 7,1 7,2 7,3 7,4 7,5 "Unbowed, Unbent, Unbroken"
  8. "The Red Woman"
  9. 9,0 9,1 "A Golden Crown"
  10. "The Dragon and the Wolf"
  11. "The Bells"
  12. 12,0 12,1 "Os Imaculados (História e Tradição)"
  13. "The Kingsroad"
  14. "The Long Night"
  15. "Casa Bolton (História e Tradição)"
  16. 16,0 16,1 "The Gift "
  17. "O Rio Roine"
  18. 18,0 18,1 "Garden of Bones"
  19. 19,0 19,1 19,2 19,3 "Blackwater"
  20. "Valar Dohaeris"
  21. "Fire and Blood"
  22. "Battle of the Bastards"
  23. "The Mountain and the Viper"
  24. "Venenos (História e Tradição)"
  25. 25,0 25,1 "The Spoils of War"
  26. 26,0 26,1 "Casa Reed (História e Tradição)"
  27. 27,0 27,1 27,2 "Dragonstone"
  28. "Eastwatch"
  29. 29,0 29,1 "O Rio Roine (História e Tradição)"
  30. 30,0 30,1 30,2 "Winter Is Coming"
  31. 31,0 31,1 "The Wolf and the Lion"
  32. "Dark Wings, Dark Words"
  33. "The Rains of Castamere"
  34. "Two Swords"
  35. "Breaker of Chains"
  36. "The Watchers on the Wall"
  37. 37,0 37,1 "The Children"
  38. "The Wars To Come"
  39. "Book of the Stranger"
  40. "O Mar de Verão"
  41. "The Old Gods and the New"
  42. "A Dança dos Dragões (História e Tradição)"
  43. "Beyond the Wall"
  44. "The North Remembers"
  45. "The Lion and the Rose"
  46. "Oathkeeper"
  47. "Mother's Mercy"
  48. "The Queen's Justice"
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.