FANDOM


House-Targaryen-Main-Shield
House-Targaryen-Main-Shield
"Quando o herdeiro de Aegon casou sua filha com seu filho, a Fé não podia mais tolerar tal abominação. O Alto Septão levantou a denúncia contra os Targaryen e por toda Westeros, a Fé Militante pegou em suas espadas contra a dinastia e os seus apoiantes."
Alto Pardal
Aenys I Targaryen era o Senhor dos Sete Reinos e o segundo Rei Targaryen a sentar-se no Trono de Ferro. Ele era filho do Rei Aegon I Targaryen e sua irmã mais nova, a Rainha Rhaenys Targaryen. Ele tinha um meio-irmão mais novo, Maegor I Targaryen.

Aparência e Caráter

Ao nascer, Aenys era pequeno com membros finos e olhos pequenos e lacrimejantes. Ele ficou fraco e doentio nos primeiros anos de sua vida e demorou a crescer, mas quando recebeu o Dragão Mercúrio, ele começou a prosperar.

O Aenys adulto era tão alto quanto seu pai, mas esbelto e muito magro ao mesmo tempo. Seus dedos eram longos e finos. Ele tinha olhos lilás, mais pálidos que os do pai, e cabelos encaracolados que caíam sobre os ombros em cachos. Ele também usava barba e bigode sedosos.

Aenys vestia as melhores sedas, samites e veludos. Ele era um homem de bom coração, cortês, charmoso e de fala mansa, que desejava ser amado por todos e sempre procurava agradar. Isso o deixou indeciso, pois hesitaria em tomar suas decisões, com medo de decepcionar alguém. Ele fazia amigos facilmente, mas também confiava em todos e se deixava influenciar facilmente. Ele era um sonhador e adorava música e dança, tanto que se tornou patrono de cantores, mummers e mímicos. Ele era um bom cantor e tinha uma "voz forte e doce". Um homem encantador que as jovens garotas adoravam.

Um estudante diligente que não faltava coragem, Aenys era um lutador adequado. No entanto, ele não era um guerreiro e não possuía a força de seu pai. Em vez de treinar para batalhas, ele preferia a companhia de meistres e septões e se interessava por alquimia, astronomia e astrologia.

História

Vida pregressa

Aenys nasceu em Pedra do Dragão, em 7 d.C, filho do Rei Aegon I Targaryen e da Rainha Rhaenys Targaryen. Ele era fraco e doente ao nascer e chorava o tempo todo. Ele era tão diferente do rei que havia rumores de que o garoto não poderia ser filho de Aegon, o Conquistador, que era um guerreiro inigualável, e que talvez seu pai tivesse sido um dos cantores ou mummers que Rhaenys gostava. Aenys tinha três anos. anos quando sua mãe morreu em Dorne. Sempre fraco e doentio, a morte de sua mãe o despedaçou. Ele voltou a engatinhar como se fosse um bebê. No entanto, quando Aenys recebeu o Dragão Mercúrio, sua condição melhorou rapidamente e à medida que o dragão cresceu, Aenys também cresceu. Os rumores de que ele não era filho de Aegon terminaram neste momento.

Aenys era cinco anos mais velho que seu meio-irmão, Maegor. Ele não era próximo de Maegor enquanto crescia, pois Aenys era mantido ao lado de seu pai em Porto Real, enquanto Visenya e Maegor viviam em Pedra do Dragão. Aenys foi treinado pela Guarda Real de seu pai e, apesar de ser um lutador adequado, não possuía o tamanho e a força de seu pai. De tempos em tempos, Aegon o deixava praticar com a espada de aço valiriana Blackfyre.

Aenys se casou com Alyssa Velaryon em 22 d.C. O casamento deles foi um casamento político. Juntos, eles tiveram seis filhos: três filhos (Aegon, Viserys e Jaehaerys) e três filhas (Rhaena, Alysanne e Vaella).

Aenys acompanhou seu pai à Lançassolar para celebrar o décimo aniversário da paz entre o Trono de Ferro e Dorne.

Em 37 d.C, quando o Rei Aegon I morreu de um derrame em Pedra do Dragão, Aenys estava em Jardim de Cima. Ele rapidamente voou em Mercúrio para Pedra do Dragão para participar do funeral de seu pai e da sua coroação. Ele foi proclamado Rei pelo Grande Meistre Gawen.

Aenys presenteou o irmão com a espada Blackfyre, admitindo que Maegor estava mais apto a manejar a lâmina do que ele. Aenys pediu a Maegor que empunhasse a espada a serviço dele e que eles governariam juntos.

Após o funeral de Aegon, Aenys viajou para Porto Real, onde reivindicou o trono de seu pai entre os escombros e a lama do Forte de Aegon destruído e as fundações da Fortaleza Vermelha. Ele foi aplaudido por muitos.

Reinado

Magali VilleneuKing Aenys I upon the Iron Throne

Rei Aenys sobre o Trono de Ferro, como representado por Magali Villeneuve em O Mundo de Gelo e Fogo.

Aenys recebeu as bênçãos da Fé dos Sete. No entanto, algumas pessoas duvidam de sua capacidade de governar. A Rainha viúva Visenya Targaryen expressou uma opinião semelhante, alegando que, ao dar Blackfyre a Maegor, Aenys admitiu que não tinha forças para governar.

No primeiro ano de seu reinado, revoltas lideradas por quatro rebeldes aumentaram em todo o reino. A primeira delas ocorreu nas Terras Fluviais, onde um bandido fora da lei conhecido como Red Harren afirmava ser neto de Harren, o Negro. Harren e seus homens apreenderam Harrenhal e mataram Lorde Gargon Qoherys. Nas Ilhas de Ferro, um homem que afirma ser o Rei-Sacerdote Lodos começou a reunir seguidores, enquanto nas Marca de Dorne, o Rei Abutre começou a reunir um exército de Dorneses que desejavam vingar a destruição que Dorne havia sofrido durante a Primeira Guerra Dornesa. Finalmente, no Vale, Lorde Ronnel Arryn foi capturado por seu próprio irmão, Jonos Arryn.

Convencido de que os Plebeus o amavam, Aenys não entendia por que as pessoas sentiam a necessidade de se rebelar. Ele considerou enviar mensageiros aos quatro rebeldes, para descobrir por que eles haviam se rebelado. Enquanto Aenys foi incapaz de decidir a melhor maneira de lidar com os rebeldes, os senhores dos Sete Reinos tomaram o assunto em suas próprias mãos. Lorde Allard Royce reuniu forças e encurralou Jonos no Ninho da Águia, após isso, o príncipe Maegor voou até o Ninho da Águia em Balerion para resolver a situação. Lorde Goren Greyjoy enviou sua frota para Velha Wyk e Grande Wyk, onde milhares de seguidores do Sacerdote-Rei Lodos foram massacrados. O próprio Lodos também foi morto e sua cabeça em conserva foi enviada ao Rei Aenys em uma jarra. A maior das ameaças, o Rei Abutre, foi principalmente ignorada pela princesa Deria Martell, embora ela tenha assegurado a Aenys que estava fazendo todo o possível para reprimir a rebelião. Eventualmente, os Senhores da Marca resolveram a situação, derrotando os seguidores do Rei Abutre e o capturando. Red Harren foi o rebelde que mais durou, mas também foi derrotado. Aenys enviou sua mão do rei, Lorde Alyn Stokeworth, para caçar Harren com algumas centenas de homens. Harren acabou sendo morto pelo escudeiro de Lorde Alyn, Bernarr Brune.

Quando todas essas insurreições finalmente terminaram, Aenys recompensou todos os senhores e cavaleiros que haviam liderado suas forças contra os rebeldes com ouro, títulos e terras. Bernarr Brune foi pessoalmente escolhido por Aenys como seu guarda pessoal como recompensa por seu serviço. Aenys concedeu a Goren Greyjoy "qualquer benefício que ele desejasse" como demonstração de gratidão, uma decisão que Aenys mais tarde se arrependeria, pois Goren exigia que ele fosse autorizado a expulsar a Fé dos Sete das Ilhas de Ferro.

Como Lorde Alyn Stokeworth foi morto por Red Harren, Aenys nomeou seu irmão Maegor como sua nova Mão do Rei. Apesar de suas diferenças, os irmãos governaram juntos por dois anos. Em 39 d.C, logo após o nascimento do sexto filho de Aenys, Vaella (que morreu no berço), surgiu uma nova crise. O príncipe Maegor anunciou que sua esposa era estéril e que ele havia tomado uma segunda esposa. Aenys e Maegor brigaram amargamente sobre o casamento polígamo. O Alto Septão denunciou o casamento e muitos dos senhores do reino o condenaram da mesma forma. Sentindo que não tinha outra opção, Aenys, furioso, deu a seu irmão uma escolha: deixar Alys Harroway (sua nova esposa) de lado ou exilar-se por cinco anos. Maegor escolheu a última opção e partiu para Pentos em 40 d.C com Alys e Balerion. Aenys solicitou que seu irmão deixasse Blackfyre antes de partir, mas Maegor se recusou a fazê-lo. Na tentativa de aplacar a Fé dos Sete, Aenys nomeou o Septão Murmison como sua nova Mão do Rei. No entanto, o Alto Septão continuou a expressar seu descontentamento, enquanto os senhores de Westeros começaram a chamar Aenys de fraco e o consideravam incapaz de governar. Aenys estava alheio a essas críticas.

Em 41 d.C, Aenys anunciou que sua filha mais velha, a princesa Rhaena, se casaria com seu filho e herdeiro mais velho, o príncipe Aegon. As reações negativas ao seu anúncio pegaram ele de surpresa. A Fé dos Sete condenou o casamento incestuoso planejado como uma obscenidade. Aenys, normalmente indeciso, decidiu manter sua decisão dessa vez e prosseguiu com o casamento. No dia do casamento, Aenys nomeou Aegon como Príncipe da Pedra do Dragão, um título que anteriormente pertencia a seu irmão Maegor. A Rainha Viúva Visenya deixou a festa em protesto.

Aenys decidiu enviar Aegon e Rhaena por todo o reino para conquistar o amor do povo, lembrando-se dos aplausos dos plebeus quando ele fez esse trajeto. Ele recusou Rhaena quando ela pediu para trazer seu dragão Dreamfyre com eles, não querendo que seu filho Aegon parecesse não-masculino. No entanto, Rhaena e Aegon eram ridicularizados onde quer que fossem. Por ter realizado a cerimônia de casamento, o Septão Murmison foi expulso da Fé dos Sete. Quando Aenys pediu ao Alto Septão para restaurar Murmison, explicando a longa história dos costumes matrimoniais valirianos praticados pela Casa Targaryen, ele recebeu uma ofensa como resposta, ele foi chamado de "Rei Abominação". Os piedosos senhores do reino e até os plebeus que já haviam amado Aenys, se voltaram contra ele. Quando o Alto Septão declarou Aenys como um tirano que não tinha o direito de governar os Sete Reinos, os Fiéis apoiaram. Dentro de duas semanas, o Septão Murmison foi cortado em pedaços, sinalizando o início do Levante da Fé Militante.

Quando a Fé Militante fortificou o Septo da Memória na Colina de Rhaenys. Aenys decidiu partir para Pedra do Dragão com sua família. Três dias antes de partirem, Sor Raymont Baratheon, da Guarda Real, salvou a vida de Aenys quando dois Pobres Companheiros escalaram as paredes da mansão do Rei na Colina de Visenya e entraram nos aposentos reais na tentativa de assassinar o Rei. Em Pedra do Dragão, a Rainha Viúva Visenya aconselhou-o a trazer "fogo e sangue" ao Septo Estrelado e ao Septo da Memória. Aenys se recusou a fazê-lo, mas ao mesmo tempo foi incapaz de decidir como agir. Eventualmente, o Rei ficou doente. No final de 41 d.C, a maior parte do reino se voltou contra ele. Milhares de Pobres Companheiros rondavam as estradas, ameaçando e matando qualquer um dos apoiadores do Rei, enquanto dezenas de senhores levantaram as armas contra o Trono de Ferro.

Segundo o Grande Meistre Gawen, Aenys parecia um homem de sessenta anos, apesar de ter apenas trinta e cinco anos. O Meistre estava desesperado por melhorar sua condição. Quando a Rainha Viúva Visenya assumiu seus cuidados, Aenys melhorou brevemente, mas sofreu um colapso ao saber que seu filho e filha mais velhos estavam sitiados em Paço de Codorniz durante seu progresso anual.

Morte

Aenys morreu em 42 d.C, após apenas cinco anos de governo, aos 35 anos. Ele foi cremado em Pedra do Dragão, com sua viúva, Alyssa Velaryon, cantando uma música para ele. Anos mais tarde, algumas pessoas sugeriram que a Rainha Viúva Visenya Targaryen havia sido responsável pela morte súbita de Aenys. Eles citaram a preferência de Visenya por seu próprio filho, Maegor, sua ambição de colocá-lo no trono e o fato de que ela cuidava do doente Aenys quando ele aparentemente a enojava.

Devido às ações de Visenya após a morte do Rei, o Trono de Ferro passou para o meio-irmão de Aenys, Maegor, em vez do filho mais velho de Aenys, Aegon.

Pequeno Conselho de Aenys I

Durante o reinado do Rei Aenys, seu Pequeno Conselho teve os seguintes membros conhecidos:

Cargo Duração Nome
Mão do Rei 37–37 d.C Lorde Alyn Stokeworth
37–39 d.C Principe Maegor Targaryen
40–41 d.C Septão Murmison
Grand Maester 37–42 d.C Gawen
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.